12:52 22 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Donald Trump

    'América Latina não é prioridade de Donald Trump'

    AP Photo / Evan Vucci)
    Notícias
    URL curta
    Trump, presidente: a surpresa que abalou o mundo (70)
    1662

    A professora de Relações Internacionais Denilde Holzhacker, da Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo, acredita que o eleitorado silencioso é o grande responsável pela vitória de Donald Trump na eleição presidencial dos Estados Unidos.

    Segundo a Professora Denilde Holzhacker, especialista em políticas das Américas do Norte, Central e do Sul, essa faixa do eleitorado acompanhou Donald Trump e se manteve em silêncio durante praticamente toda a campanha para se manifestar somente nas urnas, dando a vitória a Trump sobre Hillary Clinton.

    Mesmo assim, a professora considera o resultado final surpreendente:

    "Ninguém esperava uma vitória de Donald Trump sobre Hillary Clinton. Todos os institutos de pesquisa apontavam a vitória de Hillary mesmo nos estados em que Trump era visto com uma pequena vantagem. Mas estes eleitores que não alardearam seus votos fizeram toda a diferença. E entre eles estavam os que preferiram entregar os destinos dos Estados Unidos a um outsider, alguém de fora da política, como Trump, do que a alguém como Hillary, que, nitidamente, representava o establishment."

    Sobre Hillary Clinton, Denilde Holzhacker diz não considerar como preponderante o fato apontado por muitos analistas políticos, de que a população dos Estados Unidos ainda não se sente preparada para ser comandada por uma mulher:

    "Hillary Clinton sofreu muito durante a campanha, até mesmo pela questão de gênero. Mas não acredito que este tenha sido o fator preponderante para sua derrota. Ela teve a vida pessoal devassada, inclusive com a intensa exploração do fato da utilização do seu e-mail pessoal para envio e recepção de mensagens eletrônicas quando estava à frente da Secretaria de Estado dos Estados Unidos. Este aspecto foi muito bem explorado por Donald Trump."

    Em relação à política externa de Trump, a Professora Denilde avalia que a América Latina não está entre as prioridades do presidente eleito:

    "Creio que apenas o México deve acompanhar os primeiros passos de Trump, porque é preciso saber como ele vai tratar a famosa questão do muro que pretende ou pretendia erguer na fronteira dos Estados Unidos. Também do ponto de vista da América do Norte, será preciso ver como Trump tratará o Nafta [acordo comercial que envolve os três países do continente: México, Estados Unidos e Canadá]. Com o Brasil, não acredito em mudanças substanciais, e a tendência é de que as relações se mantenham como estão. Na América do Sul, o país que me parece inclinado a merecer atenções de Trump é a Venezuela, diante das posições contrárias do Presidente Nicolás Maduro."

    Denilde Holzhacker acredita que a política externa de Donald Trump deverá priorizar as relações com os países da Europa e da Ásia, além de dedicar atenção especial ao diálogo com a Rússia.

    Tema:
    Trump, presidente: a surpresa que abalou o mundo (70)

    Mais:

    Papa Francisco diz "não julgar" Donald Trump
    Ódio é nova tolerância: ídolo feminista deseja a morte de idosos que votaram em Trump
    Exigências de Trump em relação à OTAN 'são muito difíceis para os países da UE'
    Tags:
    política externa, política, eleição, Nafta, Denilde Holzhacker, Hillary Clinton, Donald Trump, Rússia, Canadá, México, América Latina, Brasil, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar