02:14 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Delegados concedem coletiva sobre investigações de estupro de jovem no Rio
    Tomaz Silva/ Agência Brasil

    Associação dos Delegados defende Alessandro Thiers: ‘Ele agiu dentro da lei’

    Notícias
    URL curta
    651
    Nos siga no

    O caso da jovem estuprada por diversos homens na Zona Oeste do Rio continua rumoroso. Esta semana, a 23.ª Promotoria de Investigação Criminal encaminhou representação à Corregedoria-Geral da Polícia pedindo providências para apuração do comportamento do Delegado Alessandro Thiers. A Associação dos Delegados defende o policial.

    Primeiro encarregado da apuração do caso, Alessandro Thiers é titular da DRCI – Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática. Junto com ele, atuou a agora única titular do inquérito, a Dra. Cristiana Bento, titular da DCAV – Delegacia da Criança e Adolescente Vítima.

    Denúncias da jovem e de sua então advogada, posteriormente destituída, de que o Dr. Alessandro Thiers havia se excedido com a jovem durante seu interrogatório, levaram o delegado-chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso, a afastar Thiers do caso.

    Ouvido por Sputnik Brasil, o Delegado Wladimir Reale, presidente da Adepol – Associação dos Delegados de Polícia do Rio de Janeiro, afirma não haver o que contestar na conduta do titular da DRCI:

    “O Delegado Alessandro Thiers é um policial muito correto, experiente, e que já esteve, inclusive, à frente da Delegacia hoje comandada pela Dra. Cristiana Bento [a Delegacia da Criança e Adolescente Vítima]. Particularmente, não considero que o Dr. Thiers tenha cometido qualquer irregularidade, e posso atestar que este policial age rigorosamente dentro da lei, obedecendo às normas legais. Agora, se a jovem tem algo a questionar sobre a conduta do Dr. Thiers, ou mesmo se a 23.ª Promotoria Criminal tem algo a reprovar em sua atuação, o caminho é este: pedir apuração por parte da Corregedoria. Da minha parte, volto a declarar, o Dr. Alessandro Thiers atuou nos rigores da lei.”

    Ainda de acordo com o Dr. Wladimir Reale, há muitas questões a serem esclarecidas neste caso:

    “A Dra. Cristiana Bento agiu muito bem quando disse que é preciso determinar com exatidão quantos homens estavam naquele pequeno quarto em que a jovem declarou ter sido violentada. A mim, parece muito estranho que um espaço tão pequeno tenha abrigado 33 homens, conforme a denúncia apresentada à Polícia pela adolescente. Então, se foi 1 só o autor do estupro, se foram 2, 10, 20 ou seja lá quantos forem os autores do crime, somente a Polícia e a Perícia poderão determinar com exatidão, após a competente análise dos fatos, exames técnicos e um minucioso trabalho de investigação. Há muitos fatos neste caso que necessitam de fundamentado esclarecimento.”  

    Mais:

    São Paulo sedia caminhada de mulheres contra a cultura do estupro
    Portugal registra manifestações de apoio à vítima de estupro no Rio
    População se manifesta contra cultura do estupro
    Tags:
    cultura do estupro, EstuproNaoÉCulpaDaVitima, estupro coletivo, Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima, Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática, Polícia Civil, Cristiana Bento, Fernando Veloso, Alessandro Thiers, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar