04:21 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    O Su-24 russo derrubado pela FA da Turquia em 24 de novembro, 2015

    Mídia turca possui testemunho do assassino do piloto russo

    © REUTERS / Sadettin Molla
    Notícias
    URL curta
    113

    A agência de notícias turca DNA tem na sua posse um estenograma do testemunho de Alparslan Celik, suspeito do assassinato do piloto russo Oleg Peshkov.

    Em 29 de março, Celik, com seus 14 companheiros, foi detido em Izmir e acusado de fraude, venda e posse de armas ilegais. Durante a busca foram-lhe confiscadas armas e munições militares.

    “Não tenho nenhuma relação com as armas e munições confiscadas. Só tenho um celular com dois cartões SIM, descoberto no carro. Em 29 de março partimos neste carro da cidade de Adana. Assel, Murat e Bayram estavam comigo. Bayram conduzia o carro. Primeiramente fomos à cidade de Denizli para visitar quatro amigos feridos no hospital. Depois fomos a Izmir e ficámos em um hotel. Serkan Kurtulus soube da nossa chegada e veio ter connosco. Fomos a um restaurante. Algumas pessoas que estavam connosco naquele momento eu vi na primeira vez. Não sou participante de nenhuma ação no território da Turquia. Eu não tinha outro objetivo além de visitar os amigos feridos em Denizli e Izmir. Não aceito as acusações”.

    O advogado de Celik tomou a defesa do réu, dizendo: “O meu cliente está em perigo, é perseguido por algumas forças. O fato que ele ter consigo uma arma para a sua defesa é normal. Os amigos do réu também têm de proteger as suas vidas e por isso têm armas. É impossível resistir sozinho nesta guerra”.

    Uma tesmunha do detido, Murat Guezer, prestou a seguinte declaração: “Nós quatro abandonamos Adana. No porta-bagagem tínhamos duas armas automáticas Kalashnikov e duas submetralhadoras Thomson. Uma Kalashnikov e uma submetralhadora pertenciam-me, as outras – a Asel Tyrnov. Tínhamos estas armas para defesa, pois tínhamos participado em combates nos arredores da montanha Turkmen. Comprei as armas na cidade de Gaznatepe a um sírio. Ninguém sabia disso.”

    Alparslan Celik, cidadão turco e membro de um dos grupos armados que lutam contra o governo na Síria, reivindicou o assassinato do piloto russo Oleg Peshkov, que foi morto a tiros quando descia de paraquedas após seu Su-24 ter sido derrubado por caças turcos no espaço aéreo sírio.

    O tribunal da cidade de Izmir (oeste da Turquia) deteve Celik sob acusação de armazenamento e porte ilegal de armas.

    As relações entre a Rússia e a Turquia se agravaram após 24 de novembro de 2015, quando um caça turco F-16 abateu um bombardeiro russo Su-24 no céu da Síria.

    Vladimir Putin classificou o abate como “um golpe nas costas” por parte de pessoas que apoiam os terroristas e assinou um decreto sobre a aplicação de restrições especiais contra a Turquia.

    Mais:

    Tribunal turco prende suspeito de assassinar piloto russo
    Polícia turca confirma detenção do suposto assassino do piloto do SU-24 russo
    Assassino do piloto russo do Su-24 abatido é detido na Turquia
    Moscou quer assassinos de piloto russo incluídos em lista de terroristas
    Tags:
    terrorista, assassinato, Su-24, Oleg Peshkov, Vladimir Putin, Turquia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik