08:50 25 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Notícias
    URL curta
    015
    Nos siga no

    Queixas quanto ao custo da energia elétrica não são exclusividade do Brasil. Na Argentina, esse deverá ser um dos temas mais discutidos nos próximos meses, depois que o Governo do presidente Maurício Macri anunciou o fim do subsídio às tarifas, o que deve elevar as contas de luz em até 350%, segundo projeções de especialistas.

    Tão logo a medida foi anunciada e surgiram as primeiras críticas, o Governo correu para garantir que o fim dos descontos não vai incidir sobre as cerca de dois milhões de famílias que ainda se encontram abaixo da linha de pobreza no país. Economistas calculam que a retirada dos subsídios poderá propiciar uma economia de até US$ 2,5 bilhões por ano aos cofres do Governo. Esses descontos, ainda de acordo com diversas consultorias, ajudará a reduzir o déficit fiscal dos 7,1% do Produto Interno Bruto (PIB) observados em 2015 para 0,3% em 2019, último ano do mandato de Macri.

    Opositores do fim da ajuda alegam que esse é o primeiro passo da nova administração para desmonte da rede social de proteção criada nos 13 anos do kirchnerismo, responsável pela criação de vários programas como o Bolsa Universal por Filho, a moratória das pensões, que incorporou 2,5 milhões de pessoas ao sistema previdenciário, o “Mirar para Cuidar” (de vigilância sobre reajustes no comércio) e o programa popular de cesta básica, que mantinha preços congelados de mais de 250 itens em 1.115 supermercados nas 50 maiores cidades argentinas.

    O governo da presidente Cristina Kirchner atribuía a essas iniciativas a melhora dos números da redução da pobreza no país, segundo organismos internacionais. A Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal) apontava que o índice de pobreza na Argentina estava em 11,3% da população em 2010, ficando em segundo lugar no continente, só abaixo dos 10,7% do Uruguai.

     A retirada do subsídio nas contas de energia vai ter um impacto generalizado e não só sobre a parcela mais pobre da população, segundo o professor de Relações Internacionais das Faculdades Rio Branco, em São Paulo, José Maria de Souza Jr.

    “O (presidente) Macri está sendo bastante fiel às plataformas eleitorais dele,  e essa retirada é  mais um desses elementos. Uma série de impostos sobre exportação e importação estão sendo retirados. São medidas que aquecem a atividade econômica, o comércio exterior, desoneram o Estado e diminuem a intervenção estatal”, diz.

    Souza Jr. observa, no entanto, que tem que haver certa prudência nas medidas, pois o custo que a sociedade argentina vai pagar pode ser até maior.

    “A dúvida é como o governo e outros atores de mercado vão equacionar essas mudanças. O aumento da tarifa pode ser compensado por um mecanismo de compensação com outros programas sociais.”

    O professor das Faculdades Rio Branco diz que o modelo kirchnerista, marcado por bastante intervenção no mercado e fortes subsídios, não estava funcionando. “Com uma inflação de 30% ao ano, a economia está com problema”, diz Souza Jr.. Para ele, contudo, ainda é preciso um certo tempo para ver como as mudanças que serão anunciadas na Argentina vão se refletir não só em relação ao Brasil, como também em relação ao Mercosul e a outros países.

    Mais:

    Itaipu volta a liderar produção mundial de energia
    EUA desperdiçaram meio bilhão de dólares em projetos de mineração e energia no Afeganistão
    Tags:
    Argentina, Mauricio Macri, Cristina Kirchner, Mercosul, energia elétrica, subsídios, economia, tarifas, rede social, kirchnerismo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar