22:21 28 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio

    Deputados de 8 partidos vão ao STF por saída de Eduardo Cunha da Presidência da Câmara

    Notícias
    URL curta
    5112
    Nos siga no

    Deputados de 8 partidos entregaram uma carta aberta ao Supremo Tribunal Federal pedindo aos ministros o afastamento de Eduardo Cunha da Presidência da Câmara Federal.

    O procedimento aconteceu após o Conselho de Ética da Câmara aprovar parecer preliminar do Relator Marcos Rogério (PDT-RO) que recomendou a continuidade das investigações sobre Eduardo Cunha, suspeito de manter contas secretas no exterior com dinheiro oriundo de propinas e por ter mentido sobre a existência das contas fora do Brasil, durante depoimento, em março, na CPI da Petrobras.

    A carta  para o STF foi assinada por cerca de 50 deputados – de PT, PCdoB, PSB, PSOL, PPS, PR, Rede e PROS, mais o Deputado Jarbas Vasconcelos, do PMDB de Pernambuco, o mesmo partido de Cunha.

    No documento, os deputados alegam que o presidente da Câmara exerce o cargo "para benefício privado, autoproteção em investigações e usufrutos inconstitucionais".

    Tanto os líderes governistas quanto os de oposição vêm fazendo nos últimos dias, em pronunciamentos no Plenário da Câmara e em entrevistas, duras críticas à atuação de Eduardo Cunha na Presidência da Casa.

    Segundo o líder do PSOL, Chico Alencar, o Deputado Eduardo Cunha constantemente, como Presidente da Câmara, vem ferindo os princípios da Constituição.

    "Os princípios constitucionais da legalidade, da moralidade, da publicidade, da impessoalidade e da eficácia estão sendo permanentemente agredidos aqui por aquele que ainda ocupa A Presidência da Casa. E o Supremo não pode mais ficar silenciado", disse Alencar.

    Já o líder do PT, Deputado Sibá Machado, do Acre, rebateu os argumentos de Cunha de que a operação da Polícia Federal realizada na terça-feira em suas residências foi “revanchismo” pelo fato de o presidente da Câmara ter acatado o pedido de impeachment contra a Presidenta Dilma Rousseff.

    "Nós não podemos aqui, de jeito nenhum, concordar com as palavras de Eduardo Cunha, presidente da Casa, atribuindo responsabilidade ao Governo e ao Partido dos Trabalhadores”, afirmou Sibá Machado. “Nós não temos o menor interesse e, muito menos, condições de interferir no trabalho dos órgãos, como, no caso, o STF e a Procuradoria-Geral da República. Somos contra qualquer processo de seletividade, e muito menos incriminando qualquer tipo de partido político aqui nessa Casa."

    Após a operação da Polícia Federal, o líder do PPS, Deputado Rubens Bueno, do Paraná, acredita que a situação de Eduardo Cunha é insustentável e que ele deve deixar a Presidência da Câmara:

    “É mais uma demonstração clara de que Eduardo Cunha não pode continuar presidindo esta Casa”, afirma Bueno. “Agora, ele que renuncie ao cargo para que esta Casa volte a ter o mínimo de respeito perante a sociedade brasileira. Nós estamos vivendo um dos piores momentos da história do Parlamento"

    O vice-líder do PSDB, Deputado Sílvio Torres, de São Paulo, também lamenta que as acusações contra Cunha tenham reflexos sobre a reputação da Câmara.

    "Pela primeira vez, uma operação policial entrou na Câmara dos Deputados para investigar nada mais nada menos do que o próprio presidente da Casa. Essa situação é insustentável para nós parlamentares que não estamos envolvidos em nenhum tipo de escândalo, que respeitamos o voto da população, Não queremos ser confundidos."

    Este é o terceiro pedido de partidos pelo afastamento de Eduardo Cunha. Em outubro, Rede, PSOL e PCdoB já tinham protocolado um pedido de afastamento de Eduardo Cunha junto à PGR – Procuradoria-Geral da República. Depois, uma nova representação foi feita na PGR, no dia 9 de dezembro, de novo pelo Rede e o PSOL. Nesse pedido, os partidos alegaram que Cunha usa o cargo para interferir nas investigações que apuram se ele cometeu a quebra de decoro parlamentar.

    Mais:

    Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão na casa de Eduardo Cunha
    Tags:
    conselho de ética, propina, investigação, Rede Sustentabilidade, PROS, PSB, PSOL, PPS, PCdoB, PR, PMDB, STF, PT, Marcos Rogério, Chico Alencar, Sibá Machado, Eduardo Cunha, Dilma Rousseff, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar