Urna eletrônica no Brasil (foto referencial)

TSE garante que urnas são seguras e que suspeitas não passam de 'teses criativas'

CC BY 2.0 / Agência Senado/Marri Nogueira / Eleições
Notícias
URL curta
935

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, deu uma entrevista coletiva neste domingo (21) e assegurou que não há "bases empíricas" para "teses criativas" que tendem a lançar suspeitas sobre a seguridade das urnas eletrônicas.

Segundo Rosa Weber, o sistema de votação pode ser auditado e qualquer fraude deixaria rastros.

"As criativas teses que intentam contra a lisura do processo eleitoral não possuem base empírica. Estão voltadas à disseminação rápida de conteúdos impactantes sem o compromisso com a verdade. A resposta da instituição, ao contrário, há de ser responsável, após análise das imputações. Reafirmo: o sistema eletrônico eleitoral é auditável. Qualquer fraude nele necessariamente deixaria digitais, permitindo a apuração das responsabilidades.", afirmou a presidente do TSE.

Na sexta-feira (19), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu abertura de inquérito para investigar a divulgação de informações falsas por empresas contra os candidatos à presidência, Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL).

A finalidade da entrevista coletiva, segundo Rosa Weber, foi manifestar a "crença de que a desinformação deliberada ou involuntária que sirva ao descrédito da Justiça Eleitoral há que ser combatida com informação responsável e objetiva".

Além de Rosa Weber, estavam presentes à entrevista os ministros Raul Jungmann (Segurança), Sergio Etchegoyen (Segurança Institucional) e Grace Mendonça (Advocacia-Geral da União); os ministros do TSE Og Fernandes e Tarcísio Vieira de Carvalho Neto; o vice-procurador-geral eleitoral, Humberto Jacques; e o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia.

Tags:
urnas eletrônicas, eleições 2018, TSE, Rosa Weber, Brasil
Padrões da comunidadeDiscussão
Comentar no FacebookComentar na Sputnik