Candidatos a presidente do Brasil participam de debate na RedeTV! em 17 de agosto de 2018

Qual foi a declaração mais polêmica na disputa pela presidência?

© Foto : RedeTV!
Notícias
URL curta
303

As eleições deste ano foram marcadas por disputas acirradas, surpresas de última hora, memes a perder de vista e, como não poderia deixar de ser, declarações polêmicas.

Muitas campanhas eleitorais ficam guardadas na memória popular graças ao desempenho e discursos dos candidatos e acabam virando cultura popular.

Se esse for o quesito, as eleições deste ano, com toda certeza, já garantiram o seu lugar na história, independente do resultado.

Bolsonaro

"Vamos fuzilar a petralhada aqui do Acre. Já que gosta tanto da Venezuela, essa turma tem de ir para lá", disse Jair Bolsonaro (PSL) durante um discurso no centro de Rio Branco.

O político segurou um tripé, usado para suporte da câmera, e imitou disparos. 

Depois de ser questionado, o candidato do PSL disse que foi uma "figura de linguagem, hipérbole". 

"Ninguém quer matar ninguém não", acrescentou ele.

Haddad

Ao contrário do político que enfrentará no segundo turno, Fernando Haddad tem um estilo mais sóbrio e reservado. Não foi fácil encontrar falas polêmicas do petista durante a campanha.

No entanto, seus colegas de partido não foram tão reservados assim. Uma das importantes figuras do partido, José Dirceu, disse em entrevista ao El País que será uma questão de tempo para o PT tomar o poder.  

"Acho improvável que o Brasil caminhará para um desastre total. Na comunidade internacional isso não vai ser aceito. E dentro do país é uma questão de tempo pra gente tomar o poder. Aí nós vamos tomar o poder, que é diferente de ganhar uma eleição", disse o ex-ministro da Casa Civil de Lula, que recebeu muitas críticas, inclusive de seus partidários, por atrapalhar a campanha do ex-prefeito de São Paulo. 

Ciro

Ciro também sempre foi polêmico. Desta vez, ele começou a campanha prometendo "tirar seu nome do SPC", e ganhou nas redes sociais o apelido de "pai Ciro", sendo comparado aos pais de santo do candomblé. 

Ciro manteve a proposta, mas foi detalhando o projeto. Afirmou que o Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal seriam estimulados a refinanciar as dívidas.

Alckmin

O ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, prometeu durante um evento em Brasília a redução do imposto de renda da pessoa jurídica da mesma forma como fez Donald Trump, chamando o atual sistema de "verdadeiro manicômio tributário".

"Tendo um modelo tributário melhor, é possível reduzir a carga tributária. Eu vou reduzir imposto de renda da pessoa jurídica, o imposto corporativo. (…) Veja que nos Estados Unidos o presidente Trump reduziu o imposto das empresas. Nós temos que estimular novos investimento –'venha pra cá, invista aqui'--, estimular as empresas para que reinvistam no seu negócio", disse Alckmin.

Ele foi aplaudido pelo auditório na ocasião. Seu desempenho nas urnas, no entanto, foi muito abaixo do esperado.

Boulos

O candidato do PSOL também protagonizou momentos memoráveis durante a campanha e foi notado por seus apoiadores e pelas redes sociais. Durante o debate da TV Bandeirantes, Guilherme Boulos disse que Henrique Meirelles (MDB) não seria o único candidato de Temer nestas eleições. 

"Aqui tem 50 tons de Temer", afirmou o político, provocando risos na plateia e gerando uma série de memes.

Daciolo

Dificilmente, no entanto, um candidato cresceu tanto em exposição no último mês quanto o Cabo Daciolo (Patriota). Além de jejuar e dar glórias a Deus, o político também criticou os seus oponentes e abusou de polêmicas.

A fala mais lembrada dele nesta campanha provavelmente será referente à URSAL. 

"O senhor é um dos fundadores do Foro de São Paulo. O que pode falar sobre o Plano Ursal? Tem algo a dizer para a nação brasileira?", perguntou Daciolo durante o debate na TV Bandeirantes ao Ciro Gomes.

Ciro Gomes negou a acusação e perguntou o que viria ser a URSAL. Daciolo respondeu que a URSAL nada mais seria, do que a União das Repúblicas Socialistas da América Latina, uma nova república socialista das américas. O candidato do Patriota completou: "No nosso governo, o comunismo não vai ter vez".

​Como disse Ciro Gomes após seu ping-pong, "a democracia é uma delícia, mas tem certos custos". Uma excelente frase, inclusive, para resumir esta lista.

Mais:

Haddad visita Lula em Curitiba em primeiro ato de campanha do 2º turno
'A partir de agora, tudo depende de Haddad e não de Bolsonaro', opina brasilianista
Bolsonaro: 'não posso virar Jairzinho paz e amor no 2º turno'
Bolsonaro é mais perigoso para Brasil que Trump para EUA, assegura especialista
Analista: apoiadores do PT têm poucas chances de vencer
Padrões da comunidadeDiscussão
Comentar no FacebookComentar na Sputnik