Deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), pré-candidato à presidência do Brasil em 2018, durante evento da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) em São Paulo

Bolsonaro diz que 'não tem nada pra fazer' se perder as eleições

© AFP 2018/ Miguel SCHINCARIOL
Notícias
URL curta
615

O candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, teve alta do hospital no último sábado (29) e comentou a polêmica declaração sobre não aceitar "passivamente" uma "possível fraude" nas eleições.

Anteriormente, Bolsonaro havia feito um comentário questionando a legitimidade do resultado das urnas eletrônicas, afirmando que "não dá pra gente aceitar passivamente uma fraude, na possível fraude a eleição do outro lado".

"Um sistema eleitoral onde nós já tínhamos acertado uma maneira de auditá-lo, que é o voto impresso, lamentavelmente o Supremo Tribunal derrubou e também um sistema eleitoral que não é aceito em lugar nenhum do mundo. Então, a dúvida fica e não sou eu não. A maioria da população desconfia do voto impresso. Então, quer dizer exatamente isso aí. Eu vejo, aí que foi um absurdo o PT crescer, não existe isso. O que eu sinto nas ruas, o que eu vejo em manifestações, haverá uma grande amanhã na Paulista. É um sinal claro que o povo está do nosso lado e da forma como isso é demonstrado, não dá pra gente aceitar passivamente na fraude, na possível fraude a eleição do outro lado", disse Bolsonaro no sábado.

Já no último domingo (30), em entrevista ao jornal O Globo, Bolsonaro afirmou que "não tem nada pra fazer" em caso de derrota. 

"O que quis dizer é que não iria, por exemplo, ligar para o Fernando Haddad depois e cumprimentá-lo por uma vitória", explicou o presidenciável. 

Mais:

Milhares vão às ruas em São Paulo em apoio a Bolsonaro
CNT/MDA: Haddad e Bolsonaro têm empate técnico em pesquisa
#EleSim: manifestantes a favor de Bolsonaro vão às ruas em 9 estados (FOTOS, VÍDEOS)
O que dizem as mulheres contra e pró-Bolsonaro?
Tags:
fraude, eleições, PT, Partido Social Liberal (PSL), Jair Bolsonaro, Brasil
Padrões da comunidadeDiscussão
Comentar no FacebookComentar na Sputnik