06:40 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    110
    Nos siga no

    Steve Dickinson, editor da revista Adventure Magazine, relata a perigosa experiência de ser perseguido por um grande tubarão-branco na costa da Nova Zelândia.

    Em um artigo para a revista Adventure Magazine, o editor da revista e também diretor da Pacific Media, Steve Dickinson, descreve a surpresa de ser perseguido por um tubarão de 2,5 metros.

    Dickinson estava pescando em seu caiaque na Ilha Norte, na Nova Zelândia, quando se deparou com o temível animal marinho. O episódio ocorreu antes da quarentena ser decretada no país.

    "Eu o escutei antes de vê-lo", conta o aventureiro. O tubarão teria surgido pela direita, "nesse momento o golpeei com minha vara cortante".

    No entanto, isso não impediu a aproximação do tubarão-branco, que mergulhou novamente. Dickinson lembra ter conseguido sentir seus movimentos na água antes de retornar à superfície, empurrando a parte frontal do caiaque com seu nariz.

    "Meu principal medo era de que ele escolheria morder o caiaque e me virar, algo que não terminaria bem", diz o editor. Então, Dickinson atacou o tubarão no topo de sua cabeça com o remo, contudo, sem conseguir pará-lo.

    Assim que o animal se distanciou do caiaque, Dickinson levantou a âncora e começou a remar rapidamente em direção à costa, com o animal o seguindo pela direita até que, finalmente, desapareceu.

    Felizmente, o perigoso encontro com o tubarão-branco não gerou qualquer tipo de ferimento no remador, que pôde compartilhar sua eletrizante história.

    Para um amigo de Steve Dickinson, que administra uma empresa de mergulhos na Polinésia, o animal provavelmente estava doente ou faminto, devido a seu comportamento.

    Mais:

    Tubarão 'guloso' dá dentada em gaiola de mergulhadores (VÍDEO)
    Tubarão 'pede ajuda' a pescadores após ficar preso em corda (VÍDEO)
    VÍDEO mostra milhões de peixes invadindo baía da Crimeia
    Tags:
    perigo, Nova Zelândia, tubarão, vida selvagem
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar