05:50 24 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Uma equipe do Departamento Filipino de Meio Ambiente e Recursos Naturais mostra recipientes de plástico com tarântulas em seu escritório na região metropolitana de Manila, nas Filipinas.

    Tá chovendo aranha: Oficiais apreendem 750 tarântulas contrabandeadas nas Filipinas

    © AP Photo / Aaron Favila
    Mundo insólito
    URL curta
    110

    Oficiais da alfândega filipina apreenderam mais de 750 tarantulas em uma caixa embrulhada em forma de presente de biscoitos de farinha. Pacote foi encontrado em um centro de troca de correspondência perto do Aeroporto Internacional Ninoy Aquino de Manila.

    Vindo da Polônia, o pacote continha tarântulas dentro de pequenos frascos de amostragem de DNA e recipientes de plástico transparentes, de acordo com a AP. Os recipientes estavam furados, presumivelmente para passagem de ar que garantisse a sobrevivência dos insetos.

    Eliminação dos produtos embargados na região da cidade russa de Belgorod.
    Escritório de Rosselkhoznadzor na região de Belgorod
    Autoridades  prenderam um filipino que tentou retirar o pacote no setor de "itens de coleta". O valor do pacote é estimado em cerca de US$ 5.900.

    As Filipinas impõe pesadas multas e prisão para aqueles condenados por contrabando de animais selvagens. Nos últimos meses, as autoridades de Manila apreenderam vários pacotes contendo vida selvagem. Ainda neste ano, 1500 tartarugas vivas foram encontradas dentro de uma bagagem de voo vindo de Hong Kong.

    O contrabando de tarântulas, em particular, é impulsionado por colecionadores que pagam centenas de dólares por um único aracnídeo. Normalmente, as aranhas são capturadas e usadas como animais de estimação ou mortas usadas em chaveiros e pesos de papel. A longa vida destes animais as tornam especialmente vulneráveis ​​à caça furtiva. As fêmeas, que podem viver até 30 anos, demoram a se reproduzir e o fazem muito raramente.

    Tags:
    aranhas, AP, Manila, Hong Kong, Filipinas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar