12:04 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Galáxia espiral M106

    Foto de estrela insólita captada por Hubble surpreende usuários da Internet

    © flickr.com / Hubble Heritage
    Mundo insólito
    URL curta
    0 121
    Nos siga no

    A NASA publicou a foto da estrela dupla muito interessante LL, da constelação de Pégaso, cuja aparência incomum obrigou muitos usuários de redes sociais a discutir se o objeto na imagem é uma galáxia ou uma nebulosa, relata o famoso astrônomo e divulgador sobre o espaço Phil Plait.

    A página da NASA publica periodicamente fotos de diferentes galáxias, estrelas e aglomerados de estrelas que atraíram ou ainda atraem a atenção dos cientistas. Muitas dessas imagens caem no Twitter e outras redes sociais, assim como se tornam objeto de intensos debates.

    Desta vez, no centro de tais disputas, como escreve Plait no seu Twitter, surgiu uma estrela muito insólita — o sistema binário LL na constelação de Pégaso, distante de nós três mil anos-luz. O sistema, também conhecido como AFGL 3068, foi descoberto pelo Hubble em 2010, e naquele tempo as fotos dele provocaram intensos debates entre pessoas comuns e cientistas.

    Estas estrelas estão dentro de uma nebulosa planetária recém-nascida, cuja forma regular e cachos em espiral fizeram muitas pessoas acreditar que eles viam não um par de estrelas em nossa galáxia, mas uma galáxia espiral distante de forma e de cor incomuns.

    ​Na verdade, isso não é assim — o AFGL 3068 é um par de estrelas não muito semelhantes — um análogo envelhecido do Sol, transformado em um gigante vermelho, e um astro pequeno, que ainda não esgotou as reservas de combustível estelar.

    Quando a estrela maior se tornou um gigante vermelho, ela inchou muito e começou ejetando enormes quantidades de matéria no espaço, como resultado as duas estrelas caíram dentro de uma espécie de "casulo" de gás e poeira quase opaco.

    A segunda estrela, entretanto, não desapareceu e sua rotação em torno do vizinho agonizante "enrolou" suas descargas, transformando-as em estruturas espirais claramente visíveis nas fotos do Hubble. Este processo, como nota Plait, pode ser comparado com a forma como a água se enrola em uma espiral, se você a lançar através de um pulverizador para o gramado, capaz de girar em torno de seu eixo.

    Neste caso, o "pulverizador" era a estrela jovem, que enrolou o fluxo do vento solar. Cada uma das suas voltas em torno da segunda estrela leva ao nascimento de uma nova espira, cujo número — apenas cinco voltas até hoje — diz que essa estrutura nasceu há relativamente pouco tempo por padrões espaciais, cerca de quatro mil anos atrás.

    Curiosamente, essa bela nuvem de gás e poeira não deve ser visível para nós — a luz de uma e de outra das estrelas é completamente absorvida pela espessa camada de poeira e gás em torno do AFGL 3068. Segundo acreditam os cientistas, a fonte mais provável de sua "iluminação" é a luz ambiente de toda a galáxia, a favor da qual fala o fato de que a parte da espiral mais próxima do centro da Via Láctea é melhor visível para nós do que a outra metade da nebulosa.

    Mais:

    Polônia acusa Rússia de violar espaço aéreo usando drones
    Nave Progress russa pode estar perdida no espaço
    Lançamentos de mísseis começam no espaço aéreo da Crimeia que Kiev considera como seu
    NASA causa incêndio no espaço (VÍDEO)
    Tags:
    usuários, SOL, Via Láctea, imagem, estrelas, fotografia, galáxia, foto, cientistas, redes sociais, espaço, Twitter, NASA, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar