23:50 14 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Pepinos na estufa na cidade de Veliky Novgorod, Rússia (foto de arquivo)

    Pepino cultivado na Finlândia prevê o futuro

    © Sputnik / Michael Mordasov
    Mundo insólito
    URL curta
    Euro 2016 (52)
    724
    Nos siga no

    Um pepino finlandês consegue predizer o futuro mas com a ajuda do seu proprietário. Ou seja, pode prognosticar os resultados dos jogos da Euro 2016. No seu país, já se tornou uma "figura" de culto.

    O pepino tornou-se popular depois de predizer com êxito os resultados de jogos da Euro 2016, informou a emissora finlandesa Yle.

    O dono do pepino disse que deu de encontro com este legume em uma rua de Helsinque. Levou ele para casa e começou predizer o futuro fazendo-o girar entre os dois nomes de duas equipes que competem antes de cada jogo.

    Felizmente para o seu dono, o pepino predisse o resultado dos jogos indicando uma das equipes. Quando o pepino não indica nenhuma das equipes, o resultado será um empate.

    As fotos do prognóstico feito pelo pepino são publicadas antes de cada jogo na sua página no Facebook.

    O pepino já conseguiu predizer de forma correta o vencedor em cinco de oito jogos, depois de ter feito um erro predizendo que a Irlanda derrotaria a Suécia. O pepino publicou a seguinte mensagem:

    "Predisse dois gols da Irlanda mas o meu interpretador não compreendeu que um deles seria para a sua própria baliza", se referindo ao gol do defensor irlandês Ciaran Clark no segundo tempo, que levou a um empate de 1-1.

    O êxito do pepino como "profeta" provocou comparações com o polvo alemão Paul que predisse corretamente os resultados da maioria de jogos da Alemanha durante a Euro 2008 e o Campeonato do Mundo 2010.

    Entretanto, se Paul morreu de velhice com a idade de 2,5 anos, o pepino pode começar a apodrecer ainda antes do fim da Euro 2016.

    Tema:
    Euro 2016 (52)
    Tags:
    resultado, jogo, futebol, prognóstico, predição, Irlanda, Europa, Finlândia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar