23:53 19 Junho 2019
Ouvir Rádio
    O Presidente Jair Bolsonaro e o vice-presidente General Hamilton Mourão, durante cerimônia de posse aos presidentes dos bancos públicos (arquivo)

    Mourão na China: Brasil e América Latina já estão na 'Nova Rota da Seda'?

    © Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil
    Mundo
    URL curta
    12301

    Considerado a parte moderada do governo, o vice-presidente Hamilton Mourão está na China com o objetivo de atrair investimentos e melhorar as relações do Brasil com seu principal parceiro, que estiveram abaladas devido a uma postura mais polêmica do presidente Bolsonaro. Mas será Mourão capaz de acalmar os ânimos e trazer investimentos ao país?

    Após divergências públicas com um dos filhos de Jair Bolsonaro e de ter se tornado alvo de parte da militância bolsonarista, que o chama de golpista, Hamilton Mourão visita a China para presidir uma plenária da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN), aproveitando para entregar uma carta do chefe de Estado brasileiro ao seu homólogo chinês, Xi Jinping. 

    ​O foco da viagem, quatro meses após uma viagem de um grupo de deputados do partido do presidente ao país asiático, tem sido noticiado como a concessão, aos chineses, de projetos de infraestrutura em áreas como rodovias, ferrovias e portos, em um momento em que a economia chinesa se encontra mergulhada em uma guerra comercial com os Estados Unidos.

    Para Túlio Cariello, analista de Relações Internacionais e coordenador de Análise do Conselho Empresarial Brasil-China, é bastante positiva a visita de Mourão à China, principalmente considerando-se a reativação da COSBAN. Segundo ele, o momento é de oportunidade para que sejam discutidas questões que se encontram "travadas nas relações bilaterais", como, por exemplo, o acesso a determinados mercados chineses e possíveis desentendimentos gerados na época das últimas eleições brasileiras, quando o então candidato Bolsonaro adotou uma forte retórica contra Pequim. 

    "O investimento chinês no Brasil, na nossa perspectiva aqui no acompanhamento que a gente faz, já chegou hoje a cerca de 60 bilhões de dólares, em termos de estoque, o que é, sem dúvida alguma, o grande centro de atratividade dos investimentos chineses na região da América Latina", disse o especialista em entrevista à Sputnik Brasil, sublinhando acreditar em uma manutenção dessa tendência de interesse, apesar de uma queda significativa registrada no ano passado. 

    Em recente entrevista ao UOL, o embaixador da China em Brasília, Yang Wanming, afirmou que o Brasil "tem todas as condições para ser um participante relevante na extensão da 'Nova Rota da Seda' ao continente, uma vez que as cooperações sino-brasileiras têm alicerce sólido e potencial enorme". O assunto deve ser tratado com mais cuidado durante essa visita de Mourão, que dura até a próxima sexta-feira.

    De acordo com Cariello, embora esse projeto fosse mais focado inicialmente na Eurásia e na África, ele já está de fato se expandindo para outras regiões, mesmo que de maneira não oficial. 

    "A gente observa que os investimentos chineses na América Latina de uma forma geral já estão muito em linha com o que é esse projeto da 'Nova Rota da Seda'. Então, eu acabo achando que, no fim das contas, a entrada oficial, vamos dizer assim, de países da América Latina nesse projeto acaba sendo muito mais uma coisa retórica. Porque na prática isso já está acontecendo, de uma forma ou de outra." 

    Mais:

    Que papel pode desempenhar Portugal na iniciativa chinesa Nova Rota da Seda?
    Peru irá fazer parte da Nova Rota da Seda
    Nova Rota da Seda: 17 países árabes se unem à iniciativa comercial da China
    Analista nomeia problema mais complexo nas relações comerciais China–EUA
    Vice-brasileiro Hamilton Mourão revela temer por uma guerra civil na Venezuela
    Tags:
    Túlio Cariello, Yang Wanming, General Mourão, Jair Bolsonaro, Antônio Hamilton de Martins Mourão, eua, Eurásia, Estados Unidos, Pequim, Brasília, África, América Latina, China, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar