10:35 24 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Interceptor de mísseis lançado do cruzador USS Lake Erie da Marinha dos EUA perto do Havaí

    Análise: como Ocidente destruiu relações com Rússia

    © AFP 2018 / Marinha dos EUA
    Mundo
    URL curta
    11380

    As ações dos EUA e seus aliados levaram a uma crise nas relações entre o Ocidente e a Rússia, mas Moscou apenas está respondendo à agressão contra si, escreveu na revista The American Conservative o especialista em política de segurança Ted Carpenter.

    "Quando os historiadores estudam as primeiras décadas da assim chamada era depois da Guerra Fria, eles, provavelmente, olham surpreendidos para a política absurda e provocadora dos EUA e seus aliados da OTAN em relação à Rússia", escreveu o autor do artigo.

    As numerosas ações mal pensadas do Ocidente levaram ao início da nova Guerra Fria, com tendências nos últimos tempos para virar uma guerra "quente", assinala.

    Neste momento existe a possibilidade de evitar tal desenvolvimento dos acontecimentos, no entanto, o comportamento das elites norte-americanas depois do recente "incidente insignificante" no estreito de Kerch indica que não foram tiradas as conclusões necessárias dos seus erros. Ao contrário, parece que os americanos são prestes a reforçar a sua política dura contra Moscou, opina o especialista.

    Imprevisibilidade da trajetória de voo do novo sistema Avangard, deve-se à sua alta capacidade de manobrar e neutralizar todos os sistemas de defesa antiaérea
    © Sputnik / Ministério da Defesa da Federação da Rússia
    A política de três administrações dos EUA em relação à Rússia foi imprevidente, segundo Carpenter. Os países da OTAN "organizaram uma série de provocações", apesar de Moscou não conduzir uma política agressiva que pudesse explicar tais passos do Ocidente, afirma o autor.

    Além disso, o desejo de desafiar a Rússia tem apenas aumentado, o que é confirmado pela tensão de hoje relacionada ao incidente no estreito de Kerch, segundo Carpenter. "Neste caso, o Ocidente é retratado erroneamente como um jogador passivo, apenas reagindo às circunstâncias, como se as iniciativas da OTAN nunca tivessem sido provocadoras, pouco pensadas ou agressivas", afirma ele.

    Porém, na realidade é mais justo dizer que são as ações de Moscou que representam uma resposta às iniciativas agressivas do Ocidente, ressalta.

    De acordo com Carpenter, também é errado falar que a responsabilidade pelo agravamento das relações entre o Ocidente e o Leste é da Rússia por causa dos acontecimentos na Geórgia em 2008 e na Ucrânia em 2014, como dizem os norte-americanos. Os problemas começaram antes — o alargamento da OTAN e a indiferença perante os interesses russos nos Bálcãs deterioraram as relações amistosas, disse ele.

    Os países da OTAN tratam Moscou como inimigo, e agora surge um perigo sério de que a Rússia possa se tornar mesmo um inimigo, conclui Carpenter.

    Mais:

    NI avalia tentativas do Ocidente de intimidar a Rússia no mar Negro
    Ucrânia praticamente perdeu apoio político do Ocidente, afirma general ucraniano
    'Rumores sobre Armagedom nuclear iminente são jogos políticos do Ocidente'
    Ocidente tem ciúme do papel da Rússia na República Centro-Africana, diz diplomata
    Ocidente mune militantes com armas químicas para pressionar Síria, diz governador de Idlib
    Tags:
    analista, agressão, relações, destruição, política, Ocidente, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik