09:00 15 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Refinaria de petróleo (imagem ilustrativa)

    Desejo falho dos EUA: como sanções anti-iranianas podem vir a beneficiar Rússia

    © REUTERS / Sergei Karpukhin
    Mundo
    URL curta
    391

    É pouco provável que as sanções dos EUA contra o Irã não proporcionem o que Washington deseja, escreve uma revista alemã, especificando por que serão Moscou e Teerã que ganharão nessa situação.

    De acordo com a revista alemã Telepolis, os EUA não conseguiram retirar completamente o petróleo iraniano do mercado internacional, pois mesmo os aliados de Washington continuam comprando o óleo natural do Irã.

    Além disso, por causa das sanções, os preços do petróleo aumentaram e a quantidade de hidrocarbonetos iranianos no mercado diminuiu, beneficiando, assim, a Rússia, que planeja continuar comerciando com o Irã com ou sem sanções.

    Imediatamente depois de os EUA anunciarem a saída do acordo nuclear iraniano e as novas sanções contra Teerã, os preços do petróleo e gás começaram a crescer, destaca a revista.

    Entretanto, os EUA não conseguiram cumprir promessa de acabar com a exportação de petróleo do Irã. Segundo indica a Telepolis, o problema é que Washington não levou em conta a importância de hidrocarbonetos iranianos para muitos países, inclusive para seus próprios aliados. Para evitar o beco sem saída, os Estados Unidos "excluíram" do embargo países tais como Coreia do Sul, Japão, Turquia e China. Além do mais, Pequim e Ancara declararam que vão ignorar o regime americano de sanções.

    Ao mesmo tempo, a revista apontou mais uma possível consequência das sanções econômicas norte-americanas: a Rússia pode se beneficiar delas. Por um lado, graças às restrições ao petróleo iraniano, Moscou poderá aumentar presença no mercado internacional, especialmente no europeu, chinês e sul-coreano. Por outro lado, poderá comprar óleo bruto iraniano e, assim, apoiar o parceiro do Oriente Médio enquanto continua exportando uma quantidade maior de petróleo. 

    Segundo dados da edição, a Rússia planeja comprar 100 mil barris de óleo iraniano por dia em troca de automóveis e produtos alimentícios russos. Consequentemente, se o petróleo no mercado mundial recomeçar a mais caro, Moscou e Teerã serão as que ganharão.

    Este 5 de novembro, entraram em vigor as sanções reintroduzidas pelos EUA contra Teerã que existiram antes da assinatura do Plano de Ação Conjunto Global, conhecido também como acordo nuclear iraniano. Donald Trump criticou o Plano em várias ocasiões e, em maio, anunciou a saída unilateral dos Estados Unidos do acordo, acusando o Irã de enriquecer urânio e desenvolver armas proibidas e declarando a reintrodução de sanções contra o irã.

    Mais:

    3 razões por que Rússia provavelmente beneficia das sanções anti-iranianas
    Iraniano pode enfrentar 5 anos de prisão por burlar sanções dos EUA
    Rouhani: EUA são incapazes de reduzir exportações de petróleo iraniano a zero
    Tags:
    petróleo e gás, mercado internacional, sanções econômicas, vantagens, acordo nuclear, Irã, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik