17:17 16 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Líderes do BRICS

    Líderes do BRICS firmam declaração conjunta após cúpula em Johannesburgo

    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Mundo
    URL curta
    Cúpula do BRICS 2018 (12)
    2172

    Na declaração conjunta adotada durante a 10ª cúpula dos BRICS, realizada entre 25 e 27 de julho em Johannesburgo, os líderes do grupo confirmaram a sua fidelidade aos princípios de respeito mútuo, igualdade soberana e democracia.

    Além disso, os líderes do grupo sublinharam a necessidade de lançar negociações sobre a convenção internacional contra os ataques do terrorismo químico.

    Os chefes de Estado do grupo mostraram sua preocupação com o aumento da tensão no Oriente Médio e se pronunciaram contra o uso da força. Eles apelaram ao pleno respeito pelos compromissos no âmbito do acordo nuclear com o Irã, conhecido como Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA), bem como ao uso de esforços diplomáticos para resolver a crise palestino-israelense.

    "Declaramos mais uma vez a necessidade de reiniciar os esforços diplomáticos para chegar a uma solução duradoura, justa e abrangente do conflito palestino-israelense para atingir a paz e estabilidade no Oriente Médio, com base nas resoluções correspondentes da ONU, nos princípios de Madrid e na Iniciativa Árabe de Paz e outros acordos alcançados entre as partes durante as negociações sobre a criação do Estado palestino independente e unido, que existiria ao lado de Israel em condições de paz e segurança", lê-se na declaração.

    O estatuto de Jerusalém também está entre as questões mais controversas e deve ser solucionada no âmbito das negociações entre Israel e Palestina. 

    O conflito sírio também deve ser solucionado em conformidade com a Carta da ONU. O BRICS apela para uma resolução pacífica na Síria.

    Os líderes do BRICS se manifestaram também a favor da desnuclearização da península da Coreia.

    Os líderes do grupo condenam também o uso da força e as medidas de pressão unilaterais que violam a Carta das Nações Unidas.

    "Perante os desafios internacionais que exigem nossos esforços conjuntos, declaramos a nossa adesão à formação de uma ordem mundial multipolar honesta e justa para a prosperidade de toda a humanidade, em que se respeite a proibição total de usar a força e as medidas de pressão unilaterais que violam a Carta da ONU", informa o comunicado, sublinhando que "nenhum país deve reforçar sua segurança à custa da segurança de outros países."

    Quanto à situação econômica, os líderes dos países do BRICS declaram que as tensões comerciais e a política macroeconômica de alguns países ameaçam a estabilidade da economia global, acrescentando que o BRICS deve aumentar a cooperação econômica.

    Segundo a declaração final da cúpula, os países do grupo BRICS estão preocupados com a possível corrida armamentista no espaço.

    "Estamos muito preocupados com uma possível corrida armamentista no espaço e sua transformação em um palco de confrontação militar. Confirmamos mais uma vez que a prevenção da corrida armamentista no espaço, incluindo da instalação de armas, poderia ajudar a evitar uma grande ameaça para a paz e segurança internacional", lê-se no comunicado.

    Além disso, "a Rússia, Índia, China e África do Sul estão prontos para prestar todo o apoio possível ao Brasil durante sua presidência do BRICS em 2019 e na realização da 11ª cúpula dos BRICS".

    Tema:
    Cúpula do BRICS 2018 (12)

    Mais:

    Experiência da reconstrução soviética após II Guerra Mundial pode ser usada na Síria
    Sirenes da defesa aérea soam na fronteira norte de Israel com a Síria
    Ministério da Defesa russo: Defesas aéreas de Hmeymim abatem drone de militantes na Síria
    Tags:
    BRICS, Índia, Brasil, China, Rússia, África do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik