14:48 23 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Bombardeiro estratégico da Força Aérea dos EUA, B-1B Lancer, na base americana de Al-Udeid, no Qatar, preparando-se para participar do ataque à Síria, 14 de abril de 2018

    Ataque dos EUA e aliados à Síria foi sinal para Rússia e Irã, diz chefe da OTAN

    © REUTERS / Força Aérea dos EUA
    Mundo
    URL curta
    EUA e aliados efetuam ataque de mísseis contra Síria (90)
    23538

    O ataque dos EUA, França e Reino Unido à Síria foi um claro sinal para o presidente Bashar Assad, Rússia e Irã, declarou o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, durante visita à Turquia.

    No sábado passado (14), EUA, França e Reino Unido lançaram ataques aéreos contra a Síria em resposta ao alegado uso de armas químicas nos arredores de Damasco, em Douma. Os aliados dispararam mais de 100 mísseis, mas a maioria foi interceptada pelos sistemas sírios de defesa antiaérea. As forças russas não participaram da intercepção, mas monitoraram todos os lançamentos.

    "A operação visava diminuir capacidades de Damasco de usar armas químicas, cuja investigação da ONU foi interrompida pela Rússia. Trata-se de um sinal claro para o regime de Assad, Rússia e Irã", disse Stoltenberg em entrevista ao canal NTV.

    Porém, o secretário-geral da OTAN sublinhou que a Aliança não se opôs ao diálogo político com Moscou.

    Stoltenberg também aplaudiu o apoio da Turquia ao recente ataque.

    "Recebemos com prazer o apoio que a Turquia deu à operação [na Síria]", acrescentou o chefe da Aliança.

    Os Estados Unidos e aliados justificaram o ataque ao território sírio pelo fato de o governo do país ter realizado um ataque químico na cidade de Douma. A Rússia, por sua parte, qualifica a operação como ato de agressão, pois nem especialistas militares russos nem residentes de Douma não confirmaram o fato do alegado ataque químico.

    Tema:
    EUA e aliados efetuam ataque de mísseis contra Síria (90)

    Mais:

    Estados Unidos teriam aberto nova base militar em região síria rica em petróleo
    Por que Pentágono não atacou posições russas na Síria apesar do desejo de Trump?
    'Ataques de mísseis à Síria são justificados e não têm a ver com remoção de Assad'
    Tags:
    ataque aéreo, OTAN, Bashar Assad, Jens Stoltenberg, Síria, Irã, Rússia, Reino Unido, França, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik