12:12 22 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    A bandeira da República Popular da China e as Estrelas e Listras dos Estados Unidos tremulam pela Avenida da Pensilvânia, perto do Capitólio dos EUA, durante a visita de Estado do presidente chinês, Hu Jintao em 18 de janeiro de 2011 (foto de arquivo).

    Casa Branca espera evitar escalada das sanções comerciais com China

    © REUTERS / Hyungwon Kang
    Mundo
    URL curta
    4111

    A administração dos EUA espera evitar a troca de sanções comerciais com a China, o que levará a uma escalada do conflito. A declaração é do assessor do presidente dos EUA em política comercial e industrial e diretor do Conselho Nacional de Comércio da Casa Branca, Peter Navarro.

    "Eu não acho que será assim: ação e reação, ação e reação. Não deve ser assim, isso só leva a uma espiral de escalada", disse Navarro à mídia norte-americana.

    Ele comentou as tarifas de importação impostas pela China em resposta às taxas que o presidente dos EUA, Donald Trump, impôs a vários artigos de importações chineses para os Estados Unidos.

    Segundo Navarro, Trump está determinado a "alinhar" as relações comerciais com a China, isto é, torná-las mais justas para os Estados Unidos.

    Na quinta-feira (22), o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou um memorando que pode impor tarifas de até 60 bilhões de dólares sobre as importações da China e restrições ao investimento chinês nos Estados Unidos.

    Em retaliação ao protecionismo dos  EUA, o Ministério do Comércio da China anunciou na semana passada que considera a suspensão de concessões tarifárias de 128 categorias de produtos dos EUA no valor de 3 bilhões de dólares.

    Mais:

    Guerra comercial: China pressiona EUA a anular tarifas sobre aço e alumínio
    China responde a medidas protecionistas dos EUA aumentando taxas de importação
    Guerra comercial: China reafirma críticas e contesta EUA
    Guerra comercial entre EUA e China: Pequim se prepara para contraofensiva
    Tags:
    guerra comercial, indústria, comércio, sanções, Donald Trump, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik