02:58 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    1463
    Nos siga no

    O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, afirmou que o seu país "rejeita radicalmente" as declarações do chefe do Departamento de Estado dos EUA, Rex Tillerson, sobre uma "mudança" no governo com apoio do Exército.

    O ministro garantiu o apoio das tropas a Nicolás Maduro, em uma declaração lida durante uma transmissão na TV estatal.

    As declarações foram uma resposta ao Secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, que comentou a situação política e econômica venezuelana nesta quinta-feira na Universidade do Texas, em Austin.

    Após o discurso, na véspera da sua turnê pela América Latina, Tillerson disse à imprensa que o governo esperava uma "mudança pacífica" no país sul-americano e que "muitas vezes o Exército é o agente da mudança".

    Com relação a essas declarações, Padrino López disse que as Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (FANB) "rejeitam radicalmente tais declarações deploráveis" e ratificam seu "apego à Constituição e lealdade a Maduro".

    "Não aceitamos que nenhum governo ou poder estrangeiro intervenha em nosso país", disse o comandante do FANB.

    Padrino López reconheceu os problemas com a distribuição de alimentos e remédios em consequência do "bloqueio econômico" e à "perseguição financeira" exercida por Washington sobre a Venezuela.

    "Você está certo [Tillerson], há problemas, mas você deve saber que os EUA exercem uma franca intervenção, perseguição financeira, criam caos, anarquia e desestabilização [no país]", disse o ministro.

    Padrino López lembrou que, no meio da situação econômica que o país está atravessando, o governo venezuelano mantém um investimento social de 74% e construiu quase dois milhões de casas populares.

    Mais:

    Venezuela anuncia preço inicial de sua nova criptomoeda nacional
    Tiro trocado: Espanha expulsa embaixador da Venezuela
    Departamento de Estado dos EUA cogita não reconhecer eleições da Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar