00:18 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Presidenciável Donald Trump durante um evento da sua campanha eleitoral

    África do Sul exige explicações dos EUA após declaração racista de Donald Trump

    © REUTERS / Chris Keane
    Mundo
    URL curta
    1175

    O Departamento de Relações Internacionais e Cooperação da África do Sul (DIRCO, na sigla em inglês) afirmou em uma declaração neste domingo (14) que irá convocar os diplomatas norte-americanos de seu país após a afirmação do presidente dos EUA, Donald Trump, em que chamou o Haiti e as nações africanas de "países de m*rda".

    Na quinta-feira (11), a mídia norte-americana informou que Trump teria afirmado de forma particular um certo desgosto em relação aos imigrantes do que chamou de "países de m*rda". Na sexta-feira (12), o líder dos EUA disse em sua conta no Twitter que ele não disse nada de ruim sobre o Haiti.

    O DIRCO afirmou por meio de comunicado, também divulgado em sua conta no Facebook, que irá oferecer uma oportunidade aos diplomatas norte-americanos para que possam explicar os "comentários perturbadores" feitos pelo presidente Donald Trump sobre os países africanos, Haiti e EL Salvador. 

    De acordo com o comunicado, o departamento teria visto o tweet de Trump no qual se retrata, no entanto, levou em consideração o fato de que a mensagem se refere apenas ao Haiti, enquanto a declaração polêmica atribuída ao presidente foi feita sobre um número maior de países, incluindo os africanos.

    A observação de Trump foi criticada por vários países e organizações internacionais como a ONU e a União Africana, a organização continental dos países africanos. 

    Mais:

    'Não há outra palavra a não ser racista': ONU se insurge contra declaração de Trump
    Trump sobre Haiti e África: 'Por que estamos recebendo imigrantes destes países de m*rda?'
    Tags:
    política de imigração, relações internacionais, racismo, DIRCO, Donald Trump, Haiti, El Salvador, Estados Unidos, África do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar