20:49 20 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Equipamentos militares (tanque T-80) das Forças Armadas ucranianas (imagem referencial)

    Vice-chanceler russo: 'EUA cruzaram todos os limites ao vender armas letais à Ucrânia'

    Assessoria de imprensa do presidente da Ucrânia
    Mundo
    URL curta
    6191

    O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, declarou neste sábado (23) que os EUA cruzaram todos os limites ao permitir a venda de armas letais a Kiev.

    Na sexta-feira, a porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Heather Nauert, informou que Washington decidiu fornecer armas defensivas à Ucrânia para proteger sua integridade territorial e sua soberania.

    "Com esta decisão, Washington irá causar mais mortes no leste da Ucrânia e se tornará "cúmplice daqueles que incitam a guerra", disse o vice-ministro russo.

    O diplomata expressou confiança de que a história "inevitavelmente colocará todos em seu lugar". "No entanto, como podemos falar de um papel de reconciliação dos EUA para a resolução do conflito na Ucrânia?", questionou. 

    "Em certo sentido, os EUA cruzaram a linha ao anunciar sua intenção de entregar armas ofensivas à Ucrânia, desta vez não vai fazê-lo através de contratos comerciais, que as empresas dos EUA assinaram silenciosamente há muito tempo, mas através de um programa estatal", destacou Ryabkov.

    O vice-ministro também lembrou o envolvimento de autoridades dos EUA no golpe de Estado em Kiev em fevereiro de 2014 e sua "paciência" em relação às novas autoridades ucranianas, quando eles proibiram a língua russa e bombardearam aqueles "que não queriam marchar sob a insígnia nacionalista Ucraniano".

    Mais:

    EUA defendem ajuda militar milionária à Ucrânia como 'apoio à soberania' de Kiev
    Como 'vela nuclear' dos EUA pode mergulhar Ucrânia em catástrofe radioativa?
    Analista: EUA apenas criam aparência de não quererem empurrar Ucrânia para o conflito
    Tags:
    conflito, fornecimento, armas letais, Sergei Ryabkov, Rússia, EUA, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik