01:23 21 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Vista geral da sede das Nações Unidas (ONU) em Genebra

    Direitos Humanos da ONU se diz chocado com execução em massa no Iraque

    © AFP 2018 / FABRICE COFFRINI
    Mundo
    URL curta
    1207

    O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) condenou duramente a aplicação de penas de morte no Iraque após a execução de quase 40 pessoas pela Justiça do país na última quinta-feira.

    "Estamos profundamente chocados e amedrontados pela execução em massa de 38 homens na quinta-feira", afirmou a porta-voz da agência, Liz Throssell, em coletiva de imprensa na sede da ONU em Genebra. De acordo com a funcionária do ACNUDH, esses 38 condenados foram mortos por crimes relacionados ao terrorismo, mas, dadas as falhas do sistema de justiça iraquiano, a ONU duvida que o devido processo legal, com garantias de um julgamento justo, tenha sido respeitado em todos esses casos. 

    "Isso levanta a perspectiva de erros irreversíveis de justiça e violações do direito à vida."

    Até agora, o Alto Comissariado dos Direitos Humanos foi notificado de 106 execuções realizadas no Iraque neste ano, incluindo o enforcamento de 42 prisioneiros em um único dia do mês de setembro. 

    "Nosso escritório no Iraque pediu ao Ministério da Justiça, repetidamente, informações. Mas, desde 2015, eles não têm fornecido esse tipo de informação. Então, não temos dados concretos sobre quantos podem estar no corredor da morte", disse Throssell.

    Mais:

    Trump exige pena de morte para o autor do ataque terrorista em Nova York
    Após dois enforcamentos, UE pede que Japão realize debates sobre pena de morte
    Erdogan quer restabelecer pena de morte na Turquia
    Violação dos direitos humanos: execuções são prática habitual na Coreia do Norte?
    Militares iraquianos são acusados de tortura e execuções contra civis que escapam do Daesh
    Tags:
    execuções, pena de morte, direitos humanos, Acnudh, Liz Throssell, Suíça, Genebra, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik