01:25 19 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Protesto contra crise no sistema de coleta de lixo em Beirute, no Líbano, em 25 de julho de 2015

    Rússia: crise do Líbano deve ser resolvida sem interferência estrangeira

    © REUTERS / Aziz Taher
    Mundo
    URL curta
    340

    O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Mikahil Bogdanov, se reuniu nesta quarta-feira (15) com o vice-primeiro-ministro libanês, Ghassan Hasbani, para discutir a situação política interna do Líbano e a cooperação bilateral entre os dois países.

    O vice-chanceler declarou que a situação políta do Líbano deve ser resolvida sem interferência externa, através de um diálago e pelos próprios libaneses. 

    "Durante a reunião, foi discutida a situação política interna no Líbano, bem como as questões urgentes da cooperação multifacetada russo-libanesa. O lado russo enfatizou a necessidade de resolver todas as questões urgentes da agenda nacional pelos próprios libaneses, sem interferência externa, através do diálogo, tendo em conta os interesses de todas as principais forças políticas desse país", informou a chancelaria russa em comunicado.

    A crise no Líbano se agravou nas últimas semanas após o primeiro-ministro libanês, Saad Hariri, ter anunciado sua demissão do cargo durante a visita à Arábia Saudita alegando "conspiração contra a sua vida". 

    A Arábia Saudita e Israel acusam o Irã pela crise no Líbano de influenciar o grupo militante xiita libanês Hezbollah, considerado pela Riad e Tel Aviv como uma "organização terrorista".

    Mais:

    Presidente do Líbano pede explicações à Arábia Saudita sobre suposta detenção de ex-premiê
    Arábia Saudita pede que seus cidadãos saiam do Líbano imediatamente
    Crise no Líbano: preocupada, Rússia defende solução sem interferência externa
    Líbano está à beira de uma guerra civil?
    Tags:
    terrorismo, renúncia, interferência, crise, Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Mikhail Bogdanov, Rússia, Líbano
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar