01:07 18 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Colheita de soja no Brasil.

    Oferta da UE sobre acordo comercial com Mercosul não agrada Argentina, Brasil e Uruguai

    Fotos Públicas / Palácio Piratini / Camila Domingues
    Mundo
    URL curta
    229

    A União Europeia deve ser mais generosa sobre a abertura de seus mercados às importações de carne e etanol para selar um acordo de livre comércio com o Mercosul, afirmaram autoridades de Montevidéu à agência Reuters.

    As autoridades argentinas e brasileiras compartilham uma visão similar e classificaram como "decepcionante" a cota de 70 mil toneladas de carne bovina e 600 mil toneladas de etanol oferecidas pela UE.

    O acordo entre o bloco europeu e o latino-americano é discutido desde 1999, mas nunca conseguiu deslanchar. 

    Em entrevista à agência EFE, o comissário europeu de Agricultura e Desenvolvimento Rural, Phil Hogan, pediu "aos países do Mercosul que moderem suas expectativas sobre seus produtos sensíveis".

    Para Vinícius Dutra, diretor da Dutra Consultores e especialista em comércio do Mercosul, o Uruguai "está tendo uma grande oportunidade para fazer valer sua vontade". Os principais produtos exportados por Montevidéu são carne, leite, arroz e soja, segundo Dutra.

    A cota de exportação de etanol, que anteriormente estava em 2 milhões de toneladas, é outro grande entrave às negociações. A diminuição, contudo, deve ser entendida dentro do contexto de renovação da matriz energética pretendida pelo bloco europeu:

    "A Alemanha, por exemplo, pretende descontinuar até 2030 os carros a combustão. Na Albânia, 90% da energia é produzida com placas solares", afirmou Vinícius Dutra em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil.

    Segundo o Palácio do Planalto, os principais produtos comercializados no ano passado pelo Mercosul à UE foram soja, minerais, café, máquinas, combustíveis, carne, celulose e hortaliças. Já o Mercosul, por sua vez, importou máquinas e equipamentos, produtos farmacêuticos, máquinas e material elétrico, veículos e aviões.

    Os negociadores dos dois blocos voltarão se encontrar em Brasília em novembro. E, caso necessário, haverá um novo encontro no início de dezembro, em Bruxelas.

    Mais:

    Ministro do Uruguai diz que Reforma Trabalhista brasileira pode violar regras do Mercosul
    Mercosul discute acordo de combate comum ao crime organizado
    Sem Trump e com desmatamento na Amazônia: Mercosul e UE querem cumprir Acordo de Paris
    Mercosul rechaça uso da força na Venezuela
    Tags:
    Mercosul, União Europeia, Uruguai
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik