12:07 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Iran's President Hassan Rouhani, top center, reviews army troops marching during the 37th anniversary of Iraq's 1980 invasion of Iran, in front of the shrine of the late revolutionary founder, Ayatollah Khomeini, just outside Tehran, Iran, Friday, Sept. 22, 2017

    Irã tentou comprar mísseis e tecnologia nuclear, diz relatório de inteligência da Alemanha

    © AP Photo/ Ebrahim Noroozi
    Mundo
    URL curta
    15412

    O Irã tentou por 32 vezes adquirir mísseis e tecnologia nuclear em 2016, descumprindo os termos do acordo acordo nuclear firmado entre Teerã e potências do Ocidente. A afirmação é do serviço do Serviço Federal de Inteligência da Alemanha (BND, na sigla em alemão).

    As autoridades alemãs não esclareceram se alguma das tentativas logrou sucesso e afirmou que empresas de fachada na China, Turquia e Estados Unidos foram utilizadas para contornar as restrições impostas pelo acordo nuclear do Irã.

    Ainda de acordo com o BND, Teerã teria espalhado "armas atômicas, biológicas ou químicas de destruição em massa" e teria convidado acadêmicos da Coreia do Norte, Paquistão e Sudão para participar da iniciativa. As afirmações estão em um documento do BND obtido pela emissora Fox News. 

    O Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), como é conhecido o acordo nuclear, permite ao Irã produzir uma quantidade modesta de urânio pouco enriquecido para fins de geração de energia elétrica, mas não para armas nucleares. Teerã também é obrigada a fornecer informações sobre seu programa nuclear aos inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

    Apesar das afirmações do serviço de inteligência da Alemanha, uma fonte anônima do Governo alemão ouvida pela Fox News afirmou que o Irã não violou os termos de seu acordo nuclear. Entretanto, o programa de mísseis balísticos de Teerã é alvo de preocupação para Berlim, disse a fonte.

    Desde a eleição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, Washington tem ameaçado deixar o acordo nuclear e declarar que o Irã não cumpre sua parte combinada. Líderes das outras nações signatárias (China, França, Alemanha, União Europeia, Rússia e Reino Unido) passaram a declarar a importância dos Estados Unidos no acordo nuclear. 

    Trump deve falar sobre o assunto na quinta-feira (12) para afirmar se o Irã está cumprindo os termos do acordo ou não — como as autoridades estadunidenses precisam falar a cada 90 dias. Caso Trump considere que Teerã não está cumprindo com sua parte, a decisão de sair do acordo nuclear será encaminhada ao Congresso dos EUA. 

    Na segunda, a Agência Internacional de Energia Atômica afirmou o Irã está cumprindo o acordo nuclear.

    Mais:

    Irã: tentativas dos EUA de demonizar nossas tropas de elite serão consideradas terrorismo
    Irã promete resposta 'esmagadora' se EUA equipararem suas tropas de elite a terroristas
    Irã promete tratar o exército dos EUA como Daesh, se as novas sanções forem confirmadas
    Jovem é banida do time de xadrez do Irã por recusar-se a usar véu islâmico
    Irã: Trump não pode reverter acordo nuclear
    Irã afirma que seu programa de mísseis balísticos não é negociável
    Por que EUA provocam Irã?
    Tags:
    Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), BND, Donald Trump, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik