03:14 11 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Kim Jong-un participa de congresso das crianças

    Como a Coreia do Norte contorna as sanções da ONU?

    © REUTERS / KCNA
    Mundo
    URL curta
    14220
    Nos siga no

    Apesar da crescente pressão econômica que as sanções determinadas pela Organização das Nações Unidas (ONU) aplicam na Coreia do Norte, nada parece deter os testes de mísseis do país asiático.

    Como, então, Pyongyang consegue manter seu programa militar e nuclear? Uma investigação da ONU e dos Estados Unidos, obtida pelo jornal South China Morning Post, encontrou oito maneiras utilizadas pela Coreia do Norte para contornar as sanções:

    Escambo

    Um caça-bombardeiro americano F/A-18F Super Hornet sobrevoa o porta-aviões da Marinha dos EUA USS Gerald R. Ford, enquanto este testa seus novos sistemas EMALS e AAG no Atlântico
    © REUTERS / Marinha dos EUA/Erik Hildebrandt
    A Coreia do Norte troca diretamente seu carvão e outros minerais pelos bens que precisa, como componentes de armas e até itens de luxo. Isso evita o risco de rastreamento de transferências.

    Contrabando

    Navios desligam seus sistemas de rastreamento para visitar portos norte-coreanos. Outra tática utilizada é deixar a embarcação principal ancorada em algum porto próximo e utilizar um navio menor para buscar itens na Coreia do Norte.

    Falsificação

    De acordo com a ONU, oito navios do país de Kim Jong-un têm uma documentação falsa que impede inspeções de agências internacionais. Outro truque consiste em mudar o nome das embarcações para evitar o reconhecimento.

    Exploração de mão de obra no exterior 

    Cerca de 100 mil norte-coreanos trabalham fora de seu país natal e geram uma receita estimada de US$ 500 milhões para Pyongyang, de acordo com o governo dos Estados Unidos. 

    Trabalhadores da Coreia do Norte também são utilizados como terceirizados por outras companhias. 

    Modificando os equipamentos que consegue adquirir

    A ONU conseguiu rastrear caminhões exportados da China e utilizados em desfiles militares em Pyongyang e descobriu que eles foram comprados como veículos civis — o que não é barrado pelas sanções — e depois adaptados para fins militares.

    Empresas de fachada

    Companhias de fachada em Singapura, Malásia e Hong Kong foram utilizadas para receber recursos destinados para a Glocom, empresa norte-coreana especializada em equipamentos militares. Para dificultar a identificação de irregularidades, os pagamentos eram feitos de forma fracionada, informou a ONU.

    Cobertura diplomática

    Os diplomatas da Pyongyang abrem diversas contas bancárias no exterior. Segundo o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, Kim Chol-sam abriu oito contas na China e em Hong Kong com a ajuda de empresas de fachada e movimentou milhões de dólares.

    Vendas de armas

    Apesar do embargo determinado pela ONU, a Coreia do Norte segue vendendo armas e treinamento militar. A investigação descobriu compradores nos seguintes países: Angola, República Democrática do Congo, Eritreia, Moçambique, Namíbia, Síria, Uganda e Tanzânia

    Mais:

    Ameaças à Coreia do Norte sinalizam 'beco sem saída' aos EUA, diz parlamentar russo
    EUA não querem colapso da Coreia do Norte, mas ainda estão considerando 'opções militares'
    Analista político: 'Sanções contra a Coreia do Norte podem despertar risco ainda maior'
    Será que Coreia do Norte afinal não está pronta para atacar Guam?
    Trump: Elaboramos versões eficazes de uso da força contra Coreia do Norte
    Pesquisa mostra opinião da população dos EUA sobre ação militar contra Coreia do Norte
    Kim Jong-un: as forças nucleares da Coreia do Norte estão praticamente completas
    Rússia: Coreia do Norte e EUA devem parar com ameaças
    Tags:
    ONU, Kim Jong-un, Coreia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar