21:38 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Veículos militares levando drones chineses Wing Loong

    Efeito colateral das sanções? China está se igualando a Washington no mercado de drones

    © AP Photo / Ng Han Guan
    Mundo
    URL curta
    18251

    As restrições às exportações de alta tecnologia levaram os EUA a perderem sua supremacia no setor da tecnologia aeronáutica não tripulada a favor da China, afirmou o diretor da empresa fabricante de drones mais sofisticados do Pentágono.

    Na primeira década de 2000, a liderança dos EUA no desenvolvimento de drones era incontestável, mas a política de restrição das exportações de drones, na verdade, incentiva os outros países a desenvolverem suas próprias tecnologias e, não menos importante, a ampliarem a rede logística e de manutenção necessária para promover seus produtos nos mercados que lhes interessam, informa o portal Defensenews.

    "[Impondo restrições] estás evitando não somente a venda de 'hardware'. Estás ajudando os concorrentes a criarem seu próprio portfólio de clientes para os próximos 20 anos, a criarem sua própria rede logística. Levarão muitos anos para alcançar os EUA, sim, mas [nós] estamos os ajudando a fazê-lo. Deveriam nos dizer obrigado", comentou Linden Blue, diretor executivo da General Atomics, empresa criadora dos famosos drones MQ-1 Predator e MQ-9 Reaper.

    O controle das vendas também tem um aspeto político, afirma Blue. Ao desenvolver suas tecnologias, os rivais dos EUA, como a China, por exemplo, aprendem a usá-las melhor e compartilham estes conhecimentos com outros países, fomentando alianças com os "adversários de Washington".

    O drone MQ-1 Predator se tornou uma estrela das vendas após as operações norte-americanas no Iraque, sendo que na época se iniciou uma verdadeira corrida tecnológica para alcançar o mesmo nível técnico em outros países.

    Como consequência, vários países já estão testando seus próprios MQ-1 Predator, com a China na qualidade de líder com seu drone Wing Loong, muito similar ao estadunidense.

    O presidente da General Atomics, David Alexander, considerou que deixou de haver o fosso tecnológico no setor de drones, embora se trate todavia de modelos menos sofisticados.

    "A China já está aqui", resumiu o empresário, falando ao portal.

    Mais:

    Pentágono recusa drones chineses por 'vulnerabilidade a ciberataques'
    China disputa mercado de drones de combate com os EUA
    Coreia do Sul tem radares multifuncionais para conter drones norte-coreanos
    Tags:
    concorrência, drone, MQ-9 Reaper, MQ-1B Predator, Wing Loong, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar