22:30 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Sistema russo de mísseis anti-balísticos S-300VM Antey-2500. Os sistema de mísseis terra-ar do tipo S-300-S são projetados para abater uma variedade de mísseis balísticos de curto e médio alcance dentro de uma faixa de 2.500 km

    'Precisamos ser fortes o suficiente': Sérvia pensa comprar sistema S-300 russo

    © Sputnik/ Aleksandr Vilf
    Mundo
    URL curta
    21567170

    Sérvia está considerando a compra do sistema antiaéreo russo S-300, mas ainda é cedo para avançar detalhes, disse no sábado (12) o ministro da Defesa sérvio, Aleksandar Vulin, à Sputnik.

    O ministro sérvio notou que seu país é um Estado neutral, por isso precisa equipar seu exército para o caso de ações hostis de seus vizinhos.

    "Estamos considerando [sua compra], estamos pensando nisso, mas é cedo demais para dizer algo mais preciso. […] Não posso avançar mais detalhes sobre o S-300, mas, em geral, precisamos tornar nosso exército mais bem equipado e forte", disse Vulin, durante sua visita a Moscou, quando lhe foi perguntado sobre o andamento das negociações para aquisição de batalhões de S-300.

    "A Sérvia é um país neutral. Isso significa que, caso nos encontremos em tempos difíceis, não podemos pedir ajuda a ninguém, ninguém vai chegar. Precisamos ser fortes o suficiente para nos defendermos", afirmou o ministro, acrescentando que isso se deve a ações de alguns de seus vizinhos.

    A Rússia está negociando com a Sérvia o fornecimento de batalhões de sistemas de defesa antiaérea russos S-300.

    O sistema S-300 é um dos mais avançados armamentos desta classe. Começou sendo desenvolvido na época soviética, nos anos de 1960. Atualmente, o sistema é produzido pela corporação russa Almaz-Antey.

    Mais:

    Como é a vida na 'vila Putin' sérvia? (FOTOS, VÍDEO)
    Moscou ajuda Bálcãs a combater incêndios mesmo com a Sibéria em chamas
    Tags:
    defesa antiaérea, cooperação bilateral, S-300, Ministério da Defesa da Sérvia, Sérvia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik