23:58 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Especialistas em armas químicas e biológicas

    Com que objetivo quer o Pentágono recolher amostras genéticas de cidadãos russos?

    © AFP 2019/ Daniel PIRIS
    Mundo
    URL curta
    191310

    Recentemente, a Força Aérea dos EUA publicou um concurso para adquirir amostras de RNA procedentes da Rússia. Embora o contrato não revele o propósito do pedido, o analista Aleksandr Khrolenko duvida que o concurso tenha a ver com o interesse do Pentágono em proteger a saúde dos cidadãos russos.

    Antes, A Força Aérea dos EUA expressou vontade de comprar 12 amostras de ácido ribonucleico e 27 membranas sinoviais de pessoas que vivem na Rússia.

    O ácido ribonucleico (RNA) é o principal nucleotídeo que participa de forma ativa da formação de nossa informação genética. O líquido sinovial, por sua parte, é um fluido que se encontra nas articulações, composto essencialmente de plasma sanguíneo. Ambos permitem identificar com alta precisão os marcadores genéticos de uma determinada população.

    O analista e colaborador da Sputnik, Aleksandr Khrolenko, opinou que o pedido poderia estar relacionado com desenvolvimento, testes e preparação de armas biológicas.

    Uso potencial

    A Convenção sobre as Armas Biológicas proíbe o desenvolvimento, produção e armazenamento de material biológico para fins bélicos. Desde sua entrada em vigor, no início da década de 1970, o protocolo da convenção foi assinado e ratificado pela maioria dos países do mundo.

    No entanto, no ano de 2001, os EUA abandonaram unilateralmente o acordo, bloqueando os esforços da comunidade internacional nesta esfera. A entrada nos laboratórios biológicos norte-americanos é simplesmente proibida aos inspetores.

    A Rússia, por sua vez, apelou repetidamente ao cumprimento do acordo internacional, solicitando que Washington garanta de modo adequado a segurança do programa biológico do Pentágono.

    "O arsenal nuclear dos EUA é considerável. No entanto, mesmo um conflito nuclear limitado não é nada conveniente para o Pentágono, pois 'terá efeito de ricochete'. Enquanto a guerra biológica é muito eficiente e não destrói a infraestrutura econômica", explicou Khrolenko.

    As armas biológicas são capazes de exterminar rápida e seletivamente as forças do potencial inimigo, afirmou o analista.

    Testes de aplicação

    Surtos das infeções mais perigosas aparecem com frequência na África e Ásia, mas o Pentágono se interessa cada vez mais pelos países ex-soviéticos, onde a situação epidemiológica continua sendo relativamente segura.

    Assim, nos últimos anos, os EUA têm expandido sua rede de laboratórios biológicos em redor da Rússia. Países como a Ucrânia, a Geórgia, o Azerbaijão ou o Cazaquistão, não apenas cederam seus territórios para os experimentos do Pentágono, mas também ofereceram agentes biológicos que ainda são conservados como legado da União Soviética sob pretexto de garantir a segurança das antigas repúblicas soviéticas.

    "Como os laboratórios biológicos são independentes do país anfitrião, o Pentágono pode realizar experimentos com vírus e bactérias perigosas quase sem controle", frisa o analista.

    Basta apenas infetar uma ave durante o período de migração para provocar epidemias como a que explodiu na Sibéria no verão de 2016. Naquele momento, o surto de carbúnculo, que afetou 24 pessoas, foi explicado como consequência do aquecimento global, mas "quem pode assegurar hoje que não se tratou de um ato premeditado?", pergunta o analista.

    Mais:

    Tillerson diz que sanções dos EUA são para 'melhorar' as relações com a Rússia
    Exército dos EUA: Rússia é único país que representa ameaça à nossa existência
    Tags:
    tecnologias secretas, armas biológicas, Pentágono, Geórgia, Cazaquistão, Ucrânia, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar