14:26 21 Julho 2018
Ouvir Rádio
    O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, fala sobre questões relacionadas com vistos e viagens depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou uma nova ordem de proibição de viagens em Washington, EUA, em 6 de março de 2017.

    Crise do Golfo: EUA insistem que países árabes retirem bloqueio sobre Qatar

    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Mundo
    URL curta
    410

    O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, fez um apelo nesta sexta-feira (21) para que os países árabes retirem o bloqueio sobre o Qatar.

    "Espero que os quatro países consideram a possibilidade de remover esse bloqueio como um gesto de boa vontade — isso [o bloqueio] tem as consequências mais negativas para o povo do Qatar", disse Tillerson em reunião com o ministro das Relações Exteriores de Omã.

    Uma mulher observa os arranha-céus de Doha, no Qatar
    © AP Photo / Kamran Jebreili
    Segundo ele, Qatar está tomando medidas contra o terrorismo "muito agressivamente", e os Estados Unidos estão satisfeitos com esses esforços.

    No início de julho, a Arábia Saudita, o Bahrein, o Egito e os Emirados Árabes Unidos romperam as relações diplomáticas com o Qatar, acusando o país de financiar o terrorismo. Mais tarde, os países árabes apresentaram um ultimato a Doha, exigindo o cumprimento de 13 demandas, incluindo a redução das relações diplomáticas com o Irã, o fechamento de uma base militar turca no país e o encerramento da emissora Al-Jazeera. 

    O Qatar negou todas as acusações dos países vizinhos e declarou que a lista de demandas é irrealista e prejudica a sua soberania.

    Mais:

    Qatar: Para negociar, pare primeiro de se intrometer
    Militares turcos desembarcam em sua base no Qatar
    Opinião: informações sobre abertura de base militar iraniana visam pressionar Qatar
    Egito cancela isenção de vistos com Qatar
    Tags:
    bloqueio, terrorismo, segurança, crise diplomática, Rex Tillerson, Golfo Pérsico, EUA, Qatar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik