23:26 08 Março 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    15113
    Nos siga no

    A Coreia do Norte considerou de ilegais as sanções, aprovadas por resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

    "As resoluções contra a Coreia do Norte, aprovadas pelo Conselho de Segurança, são documentos ilegais e mal-intencionados, fabricados por capricho dos EUA, que violam a Carta da ONU e outras normas internacionais reconhecidas", alega a missão diplomática em seu comunicado.

    Pyongyang encaminhou uma solicitação ao secretariado das Nações Unidas, exigindo a especificação da base jurídica para as resoluções do órgão.

    "A secretaria (da ONU) não respondeu a estas perguntas", diz o comunicado.

    O Conselho de Segurança da ONU manifestou repúdio ao último lançamento malsucedido de míssil nuclear da Coréia do Norte e uma declaração foi emitida pelo órgão, prometendo adoção de medidas restritivas contra Pyongyang.

    Coreia do Norte, que se proclamou uma potência nuclear em 2005, confirmou no dia 9 de setembro ter realizado com êxito um teste nuclear subterrâneo. Este seria o quinto teste do tipo realizado pelo país. 

    No sábado passado, os EUA informaram ter detectado um possível lançamento de míssil nuclear a partir da Coreia do Norte.

    Os testes anteriores, que renderam sanções internacionais à Pyongyang, foram realizados em 2006, 2009, 2013 e em janeiro de 2016.

    Nos últimos meses, Pyongyang realizou cinco lançamentos de mísseis: dois em julho, dois em agosto e um em 5 de setembro.

    Mais:

    Notas de dólar viram isca em balões de propaganda jogados para a Coreia do Norte
    Moscou: instalação apressada do THAAD na Coreia do Sul pode 'provocar arrependimento'
    Militares dos EUA e da Coreia do Sul treinam assassinato de líderes norte-coreanos
    China espera que resolução da ONU sobre Coreia do Norte ajude a manter a paz
    Tags:
    programa nuclear, sanções, Conselho de Segurança da ONU, ONU, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar