03:16 22 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    442
    Nos siga no

    A Rússia espera que os seus parceiros na resolução da situação na Ucrânia prestem mais atenção às informações da missão da ONU sobre as violações dos direitos humanos em Donbass, e que exerçam pressão necessária sobre Kiev, disse a assessora da Missão Permanente da Rússia junto à ONU em Genebra, Natalia Zolotova.

    "Esperamos também que nossos parceiros deixem de ignorar de maneira intencional as informações da missão da ONU sobre a violação dos direitos humanos na Ucrânia, e que exerçam pressão necessária", disse Zolotova, ao discursar durante a 33ª reunião do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

    Ela acrescentou que Moscou insta Kiev a implementar as recomendações elaboradas pela missão da ONU na Ucrânia.

    Zolotova manifestou a preocupação de Moscou com as mais recentes informações da ONU sobre o número crescente de vítimas civis.

    De acordo com informações da Rússia, a população civil das repúblicas autoproclamadas de Donetsk e Lugansk é a mais afetada por bombardeios indiscriminados, realizados por militares ucranianos.

    Além disso, Zolotova denunciou casos de tortura, violência, detenção e maus tratos contra cidadãos das repúblicas autoproclamadas, coordenados pelos serviços de segurança ucranianos.

    Em abril de 2014, Kiev iniciou uma operação militar contra as províncias de Donetsk e de Lugansk, que proclamaram independência, após um golpe de estado na Ucrânia, realizado em fevereiro do mesmo ano.

    Mais:

    OSCE encontrou mercenários georgianos em Donbass
    Grupo de Contato para a Ucrânia assina acordo sobre retirada de forças de Donbass
    Forças especiais da Polônia em Donbass? Por que motivo?
    Poroshenko reclama do descumprimento de cessar-fogo em Donbass
    Kiev não irá considerar anistia de combatentes do conflito em Donbass
    Tags:
    violações, direitos humanos, Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, Natalia Zolotova, Lugansk, Ucrânia, Rússia, Donbass
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar