21:18 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    101
    Nos siga no

    As forças de segurança afegãs terminaram nesta terça-feira (6) um cerco de 11 horas no centro de Cabul, matando a tiros o último sobrevivente de um grupo de atacantes que agiu horas depois de um atentado suicida ter deixado dezenas de mortos e feridos na cidade.

    O episódio começou na segunda-feira (5) à tarde com um atentado suicida duplo em uma área movimentada da capital, perto do Ministério da Defesa, que matou 35 pessoas, incluindo vários oficiais de segurança de alto nível, e feriu 103.

    O ataque foi reivindicado pelo Talibã e foi seguido algumas horas mais tarde pela explosão de um carro-bomba em Share Naw, uma área comercial e residencial de Cabul perto da zona governamental e das embaixadas. O ato também foi reivindicado pelo grupo insurgente.

    Após a explosão, três homens armados embarricaram-se perto de um escritório do grupo de ajuda humanitária Care International e de um complexo do governo. 

    Em comunicado, o Talibã disse que o ataque tinha como alvo um centro de inteligência secreta do governo.

    A polícia disse que apenas seis pessoas ficaram feridas. A Care International declarou que toda a sua equipe em Cabul foi evacuada com segurança.

    Na metade da manhã desta terça-feira, depois de horas de impasse interrompidas ocasionalmente por tiroteios esporádicos, o porta-voz do Ministério do Interior Sediq Sediqqi disse que as forças especiais afegãs tinham conseguido eliminar todos os envolvidos no ataque.

    Mais:

    Relatório da OTAN vazado mostra impotência do exército afegão
    O prêmio de sortudo vai para... comandante talibã morto por bomba feita pelos subordinados
    Piloto russo libertado do cativeiro do Talibã regressa à Rússia
    Afeganistão pediu à Rússia helicópteros Mi-35 de graça para combater Daesh e Talibã
    Tags:
    atentado, carro-bomba, cerco, explosão, terrorismo, ataques, Care International, Talibã, Cabul, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar