05:41 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Bashar al-Jaafari fala na sede das Nações Unidas em Genebra depois do seu encontro com Staffan de Mistura, em 14 de março de 2016

    Embaixador sírio na ONU: culpados por ataque químico em Damasco foram acobertados

    © AFP 2017/ SALVATORE DI NOLFI
    Mundo
    URL curta
    10871140

    Em entrevista exclusiva à agência Sputnik, o representante permanente da Síria na ONU, Bashar Jaafari, comentou a situação em torno dos ataques com armas químicas na Síria e acusou membros do Conselho de Segurança da ONU de omissão sobre a investigação.

    "A questão das armas químicas foi inicialmente fabricada para exercer pressão sobre o governo sírio. Após o primeiro ataque com gás químico contra Khan al-Asal em Aleppo, eu me dirigi ao Secretário-Geral da ONU para solicitar assistência do governo sírio em investigar o caso e responder à pergunta 'foi realmente um ataque químico?' e 'Quem está por trás disso?', contou o diplomata. 

    Ele observou que o líder das Nações Unidas prometeu investigar o caso, mas forneceria informações sobre quem realizou o ataque.

    A partir desse momento, ficou claro que os membros do Conselho de Segurança da ONU estavam interessados encobrimento da parte envolvida devido a certas circunstâncias políticas.

    "O Secretário-Geral disse que iria se consultar com os países do Conselho de Segurança da ONU. E três horas mais tarde, após consulta com os países do Conselho de Segurança da ONU, ele voltou para mim e disse: 'Diga a seu governo que vou assistir e auxiliar o envio de uma delegação de especialistas envolvidos na investigação do ataque com armas químicas em Khan al-Asal'", contou. No entanto, ele continuou e disse, é bom lembrar, depois de se reunir com os Estados do Conselho de Segurança das Nações Unidas, 'mas eu não posso ajudá-lo na determinação do país que estava por trás do ataque químico'. A partir desse momento, ficou claro que os membros do Conselho de Segurança da ONU estavam interessados encobrimento da parte envolvida devido a certas circunstâncias políticas", destacou Jaafari.

    De acordo com o representante da Síria na ONU, a questão do ataque químico em Damasco em 2013 ainda não foi encerrada. 

    Ele observou que foi acordado o envio de uma equipe de ajuda a investigação do ataque químico em Khan al-Asal, mas que foi adiada por 4 meses e 11 dias para o envio do cientista Ake Sellstrom e sua equipe para Khan al-Asal. 

    No mesmo dia, quando Sellstrom estava em Damasco e estava se preparando para ir para Khan al-Asal em Aleppo, houve o segundo ataque com armas químicas no leste de Huta em Damasco, após o qual começou uma campanha política contra a Síria, disse ele.

    "O objetivo do ataque a Huta se resumiu em criar uma manobra de distração de Khan al-Asal. E este plano foi um sucesso, visto que o Dr. Sellstrom ainda não visitou Khan al-Asal.

    Assim, toda a atenção estava voltada para o que aconteceu em Huta", argumenta Jaafari.  

    Foi ressaltado também que foram enviadas centenas de cartas ao Conselho de Segurança da ONU, à Comissão de Inquérito da resolução 1540, à missão de averiguação e à Missão de investigação conjunta. Todos elas, diz o diplomata, foram criadas após o incidente em Khan al-Asal na do leste de Huta, perto de Damasco. 

    "Em nossas cartas continham informações transparentes. Mas os Estados membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas, ou encobriram estes dados, ou os acusaram de falta de confiabilidade. Eles não transmitem os dados para publicação nos meios de comunicação, e não os mencionam em suas declarações. Isso se deve ao fato de que a parte por trás do ataque químico conta com o apoio desses países", destacou. 

    "Não há escassez de dados, há uma falta de vontade política. Mas o regime turco não tem a vontade política, bem como o regime saudita e do Qatar. Infelizmente, muitas outras organizações estão envolvidas nesta questão. E o regime francês não é exceção, como já disse", concluiu o representante da Síria na ONU. 


    Mais:

    Síria acusa França de realizar ataque químico
    Rebeldes apoiados pelos EUA foram responsáveis por ataque químico em Aleppo
    Grã-Bretanha está preocupada com um ataque químico do Estado Islâmico
    Tags:
    armas químicas, ataque químico, ONU, Conselho de Segurança da ONU, Bashar al-Jaafari, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik