11:54 16 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    004
    Nos siga no

    Poderão ter sido fornecidas armas aos grupos de combatentes sírios, incluindo jihadistas do Daesh, revela uma pesquisa da União Europeia.

    Na terça-feira, uma forte da UE comunicou à agência RIA Novosti que a União Europeia está examinando dados sobre fornecimento de armas e munições da Europa aos países que prestam apoio aos grupos da oposição armada na Síria. Antes, uma pesquisa descobriu um suposto fluxo de armas para o Oriente Médio proveniente de vários países europeus.

    "Estamos cientes dos dados da pesquisa e estamos os examinando", informa a fonte.

    A investigação conjunta da rede regional de jornalismo investigativo dos países balcânicos (BIRN) e o Projeto de Reportagens sobre Crime Organizado e Corrupção (OCCRP) revelou os seguintes fatos: desde a escalada do conflito na Síria em 2011, a Bósnia e Herzegovina, Bulgária, Croácia, República Tcheca, Eslováquia, Sérvia e Romênia forneceram armas e munições equivalentes a 1,2 bilhões de euros (ou seja, 1,3 bilhões de dólares) destinadas à Arábia Saudita, Jordânia, Emirados Árabes Unidos e Turquia.

    A pesquisa indica que essas armas poderiam ter sido fornecidas a grupos de combatentes sírios, incluindo o Daesh (proibido na Rússia e em vários outros países).

    Os países-membros da UE e candidatos à adesão ao bloco são obrigados a avaliar o risco de as armas que eles pretendem vender a outros países possam acabar em mãos de terroristas.

    Mais:

    Confiram imagens exclusivas do exército britânico na Síria
    Terroristas atacam aeroporto e academia de artilharia na Síria
    Rússia e Turquia estão prontas para cooperar na resolução da crise síria
    Tags:
    Jordânia, Europa, Síria, Arábia Saudita, Croácia, Sérvia, Oriente Médio, República Tcheca, Turquia, Eslováquia, Bulgária, Emirados Árabes Unidos, Romênia, Bósnia e Herzegovina, União Europeia, Daesh, Ria Novosti, conflito, armas, risco, fornecimento, munição, oposição síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar