19:56 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Vladimir Putin, presidente da Rússia, e Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia.

    EUA e seus aliados preocupados com amizade russo-turca

    © Sputnik/ Sergey Guneev
    Mundo
    URL curta
    161189113

    É com grande preocupação que os aliados da Turquia na OTAN estão aguardando a próxima reunião entre os presidentes Vladimir Putin e Recep Tayyip Erdogan.

    As razões são óbvias – esta visita do presidente turco poderá significar a reconciliação entre os dois países.

    Enquanto a União Europeia se opõe à adesão da Turquia e os EUA se recusam a entregar o suposto orquestrador da recente tentativa de golpe, as perspectivas de aproximação com a Rússia parecem cada vez mais atraentes para Ancara.

    A reunião entre Putin e Erdogan, a ser realizada em Moscou em 9 de agosto, pode ser considerada como um sinal de reconciliação entre as partes.

    A revista suíça L'Hebdo indica que, neste contexto, o Ocidente tem todas as razões para se mostrar preocupado.

    "Apenas um dia após a tentativa malsucedida de golpe, os laços russo-turcos deram uma volta para melhor", escreve a edição.

    Há rumores de que a Rússia tenha advertido o presidente turco da possibilidade de golpe algumas horas antes de os comandantes golpistas terem assaltado o hotel onde Erdogan estava. De acordo com a L'Hebdo, a declaração feita na altura pelo primeiro-ministro turco Mevlut Cavusoglu é prova disso. 

    "Durante a tentativa de golpe, a Rússia nos providenciou apoio pleno e incondicional. Agradecemos a Vladimir Putin e a todos os oficiais russos… A Rússia não só é nosso amigo e vizinho próximo, mas também parceiro estratégico", anunciou o primeiro-ministro.

    Atualmente o exército turco conta com 315 mil soldados, sendo a segunda força mais numerosa da OTAN. A própria Turquia tem uma "posição estratégica na fronteira entre o Ocidente e o Mundo Árabe, Cáucaso e Rússia". 

    Clérigo muçulmano Fethullah Gulen
    © REUTERS/ Courtesy Selahattin Sevi/Zaman Daily via Cihan News Agency/Handout
    Sem dúvida, a infraestrutura militar turca, em particular a base aérea de Incirlink, é de extrema importância para a coalizão de combate ao Daesh liderada pelos EUA.
    É pouco provável que Erdogan considere a saída do seu país da OTAN. Mas, ao manter relações de amizade com Putin, o presidente turco sinaliza claramente que não permitirá ser enganado.

    Embora inicialmente os dois países tivessem tido visões contrárias do conflito sírio, agora Erdogan não acha mais que o apoio aos rebeldes na Síria seja uma boa ideia. A sua intenção de impedir o estabelecimento de um Estado curdo junto à fronteira turca torna Putin imprescindível nesse sentido, o que é um sinal de que a Rússia e a Turquia têm mais razões para se reconciliar. Sem dúvida, tal cenário poderá alterar significativamente o equilíbrio de forças na Síria.

    Mais:

    Erdogan acusa Ocidente de apoiar terroristas e golpistas na Turquia
    Ministro: Tentativa de golpe custou $100 bilhões à Turquia
    Tags:
    tentativa de golpe, golpista, reconciliação, aproximação, Daesh, Ministério das Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu, Recep Tayyip Erdogan, Vladimir Putin, Ancara, Turquia, Síria, Ocidente, Moscou, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik