13:52 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Ajuda humanitária da Rússia para a Síria

    Rebeldes sírios abatem helicóptero Mi-8 para 'fazer desmoronar operação humanitária russa'

    © Sputnik/ Mihail Voskresensky
    Mundo
    URL curta
    161987316

    O helicóptero Mi-8 poderia ter sido abatido pelos interessados em "fazer desmoronar a operação humanitária" lançada por Moscou e Damasco em Aleppo.

    Aleppo é a segunda maior cidade da Síria e tem sido devastada pelo conflito em curso, informou o jornal russo Vzglyad.

    O helicóptero seguia em direção à base aérea de Hmeymim depois de cumprida sua missão em Aleppo quando foi abatido, causando a morte das cinco pessoas que seguiam a bordo. A missão fazia parte da campanha em curso que visa prestar apoio aos habitantes da cidade. Durante as últimas 24 horas, 6.500 sacos de comida, incluindo farinha, arroz, carne e peixe enlatados foram entregues na região, informou na segunda-feira o centro russo para a reconciliação síria.

    Forças do governo sírio tentam garantir a segurança de civis no bairro de Bani Zeid, em Aleppo
    © AFP 2017/ GEORGE OURFALIAN
    Há quem duvide que o helicóptero Mi-8 realmente realizasse uma missão humanitária porque estava equipado com armas de alta tecnologia, incluindo containers lançadores e o sistema eletrônico militar Vitebsk, mas os peritos acham que esse fato não é uma surpresa.

    Os containers lançadores podem ser vistos em algumas imagens supostamente tiradas no local da queda do Mi-8. O helicóptero precisava destes equipamentos para se defender e não para lançar ofensivas. Um piloto da Força Aérea, que preferiu manter o anonimato, comunicou à agência RBC que os tripulantes de helicópteros que cumprem tais missões em áreas de conflito usam sempre estas armas.

    "O fato de eles realizarem uma missão humanitária não significa que eles não se possam defender", informou a fonte.

    As informações da mídia também indicam que o helicóptero abatido estava equipado com o sistema eletrônico Vitebsk.

    O sistema Vitebsk, desenvolvido pelo Consórcio Tecnologias Radioeletrônicas (KRET) é destinado a proteger dos mísseis uma aeronave ou helicóptero. Segundo informaram os desenvolvedores em setembro de 2015, o sistema passou por todos os testes necessários.

    Contudo, Vitebsk não oferece uma proteção absoluta, disse à RBC o analista Vasily Kashin. "Mesmo que [os atacantes] usem um sistema portátil com mísseis anti-aéreos, contra o qual o Vitebsk poderia se proteger, um míssil pode acertar no alvo", disse.

    Os militares russos não deram informações sobre o que foi usado exatamente para abater o helicóptero, mas estão trabalhando com várias versões que incluem um sistema de mísseis antiaéreos portátil, uma metralhadora pesada como a DShK 1938 ou KPVT, um lançador de granadas ou artilharia antiaérea de pequeno calibre, revelou à publicação russa Gazeta.ru uma fonte próxima do comando das Forças Aeroespaciais da Rússia.

    A tragédia do helicóptero Mi-8 ocorreu na província vizinha de Idlib que tem sido controlada pela coalizão Jaish al-Fatah [Exército de Conquista], que inclui Frente al-Nusra, Ahrar al-Sham e outros rebeldes sírios que estão combatendo para derrubar o presidente Bashar Assad e estabelecer um califado.

    A Rússia lançou a operação humanitária em Aleppo no dia 28 de julho. Três corredores humanitários foram abertos na cidade cercada pelas forças de Damasco, mas ocupada pelos grupos radicais. Moscou prometeu fornecer comida e providenciar assistência médica aos residentes locais. Cerca de 14 toneladas de cargas humanitárias foram fornecidas nos primeiros três dias da operação.

    Mais:

    Ministério da Defesa: helicóptero russo Mi-8 foi derrubado na Síria
    Iraque: comandantes do Daesh fogem de Mossul para a Síria
    Tags:
    comida, assistência, missão humanitária, helicóptero, Mi-8, Jaish al-Fatah, Ahrar al-Sham, Força Aeroespacial da Rússia, Kret, Frente al-Nusra, Hmeymim, Aleppo, Idlib, Damasco, Síria, Moscou, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik