10:01 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    O secretário-geral da OTAN Jens Stoltenberg com oficiais e funcionários militares em frente de um drone da OTAN sem nome, perto do Estádio Nacional PGE, o lugar da realização da cimeira da Aliança Atlântica na Varsóvia (Polônia). 8 de julho, 2016Dois ativistas com a bandeira da UE e Union Jack pintadas em suas caras beijam-se em frente ao Portão de Brandenburgo para protestar contra Brexit em Berlim. 19 de junho e 2016

    Opinião: OTAN é instrumento dos EUA para controlar Europa

    © REUTERS / Agencja Gazeta/Adam Stepien © REUTERS / Hannibal Hanschke
    1 / 2
    Mundo
    URL curta
    Brexit: reações e consequências (121)
    0 141
    Nos siga no

    O chamado Brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia, pode não acontecer, porque já foram registradas tentativas para realizar um novo referendo, o que, claramente, corresponde aos interesses dos EUA e da OTAN.

    Mas, caso o Brexit aconteça realmente, a OTAN retornará ao papel que o bloco tinha logo após a sua criação, notou em entrevista à Sputnik Vladislav Jovanovic, veterano da diplomacia iugoslava e ex-embaixador da Iugoslávia na Turquia.

    De acordo com a opinião do especialista, a Aliança Atlântica neste caso teria o mesmo objetivo que 50 anos atrás: conter a Alemanha na Europa, e a antiga União Soviética, sobretudo a Rússia, o mais longe possível da Europa, e os EUA manterem o estatuto de potência militar mais poderosa do “velho mundo”.

    O processo de tornar a UE mais fraca, segundo Jovanovic, não acabará com um “brexit”, não só por causa das contradições internas de certos países, mas também devido a vários outros problemas na Europa, que ela não poderá resolver em breve, se é que isso em geral poderia ser feito usando métodos existentes, que parecem já ter deixado de ser atuais.

    Mas seja qual for a situação na Europa, os interesses dos EUA continuarão a incluir a manutenção de suas posições no continente, então a OTAN pode receber mais uma função adicional — não só a militar, mas também a de controle do nível de influência dos EUA sobre a EU, opina o ex-embaixador.

    "Os americanos influíram a Europa através da OTAN e da Grã-Bretanha e agora, se o Reino Unido sair, será preciso fortalecer o outro fator, quer dizer a OTAN," disse.

    Mesmo assim, continua pouco claro, se a Aliança Atlântica continuará considerando a Europa de Leste como um propagador de seus interesses na cena política da velha Europa.

    "O Reino Unido se opôs por muito tempo à entrada na CEE [Comunidade Econômica Europeia], mas os EUA o encorajou e ele entrou, e sempre travou o posterior desenvolvimento da ideia de Europa como estrutura supranacional. Ele atrasava tudo o que poderia tornar a CEE ou a UE em uma força mundial independente, que não seria tão dependente assim dos EUA", fez lembrar o diplomata.

    Seja como for, após o Brexit os Estados Unidos deverão procurar um novo país ou grupo de países para controlar os processos de integração dentro da União Europeia, concluiu o especialista político.

    Tema:
    Brexit: reações e consequências (121)

    Mais:

    Poroshenko: Ucrânia ensinará OTAN como combater a Rússia
    Tags:
    Brexit, OTAN, Europa, Reino Unido, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar