02:45 21 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos (esquerda), presidente de Cuba, Raul Castro (centro), e líder das FARC, Rodrigo Londoño Echeverri (direita)

    FARC e Colômbia chegam a acordo histórico para o fim definitivo da guerra

    © REUTERS/ Alexandre Meneghini
    Mundo
    URL curta
    111

    O governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) chegaram nesta quarta-feira (22) a um acordo histórico para declarar um cessar cessar-fogo bilateral definitivo e acabar com o conflito armado mais antigo da América Latina.

    Segundo uma fonte anônima envolvida nas negociações, citada pela Reuters, o acordo estabelece um plano para a localização de guerrilheiros em áreas acordadas e o abandono de armas sob a supervisão das Nações Unidas.

    O anúncio oficial deste evento histórico será feito nesta quarta em Havana, Cuba, e a assinatura do acordo será realizada amanhã, quinta-feira (23). O ato contará com a presença do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, do presidente colombiano Juan Manuel Santos, do líder das FARC Rodrigo Londoño, mais conhecido como "Timoshenko", e dos delegados dos países mediadores do processo.

    "Para que termine a noite horrível e se abra o caminho da paz e da esperança. Na quinta-feira, 23 de junho, anunciaremos o último dia da guerra", escreveu o líder guerrilheiro Carlos Antonio Lozada em sua conta oficial no Twitter.

    ​As negociações de paz entre os dois lados começaram no final de 2012, em Cuba, com o objetivo de acabar com o confronto armado interno que durou mais de meio século e já deixou cerca de 220 mil mortos, além de milhões de deslocados.

    Mais:

    Presidente colombiano garante que FARC abandonarão suas armas
    Colômbia: governo e FARC promovem retirada menores de idade da guerrilha
    Presidente colombiano classifica a paz com as FARC de 'irreversível'
    Tags:
    armas, guerrilheiros, guerra, conflito, negociações, paz, cessar-fogo, acordo, ONU, Timoshenko, Rodrigo Londoño, Juan Manuel Santos, Ban Ki-moon, América Latina, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik