13:12 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Twitter e bandeira do Daesh (Estado Islâmico)

    Conheça o inimigo! Daesh usa cultura pop do Ocidente para propaganda de jihad

    © REUTERS / Dado Ruvic
    Mundo
    URL curta
    203

    Apesar de ser universalmente estigmatizado, o grupo terrorista Daesh nunca deixou de recrutar novos convertidos. A razão por detrás do sucesso é que o Daesh usa instrumentos da cultura pop ocidental, jogos de vídeo e redes sociais, para conquistar corações e mentes de pessoas.

    Os grupos militantes islâmicos em todo o mundo juraram fidelidade ao Daesh, que hoje afirma ter estabelecido "províncias" em 14 países, incluindo a Líbia. O Daesh é implacável, intransigente e totalmente fanático. Eles matam seus inimigos de maneira terrível e chamam isso de jihad. Mesmo com a crueldade desumana, os terroristas continuam recrutando recém-chegados de todas as partes do mundo.

    Líder do grupo terrorista Estado Islâmico Abu Bakr al-Baghdadi. (Foto de arquivo)
    © East News / Balkis Press
    Talvez de forma um pouco anormal para os militantes anti-ocidentais, o Daesh depende muito dos truques de propaganda e da cultura pop ocidentais.

    "O Daesh é muito hábil em usar propaganda e outros instrumentos. Eles usam uma linguagem que os jovens reconhecem e caem sob seu feitiço", disse o diretor técnico para análise do Serviço de Segurança da Polícia da Noruega (PST), Jon Fitje Hoffmann, à emissora nacional norueguesa NRK.

    As organizações terroristas usam a propaganda como instrumento há muito tempo. Mas o Daesh não são terroristas vulgares, apontou o diretor norueguês Stefan Faldbakken, nomeado para o Óscar.

    "Eles usam toda a nossa cultura popular contra nós e ainda dizem 'morte à cultura ocidental.' Eles viram tudo de cabeça para baixo. Eu acho que isso é muito interessante do ponto de vista puramente artístico", disse ele.

    A diferença entre o Daesh e a al-Qaeda, em termos de métodos de propaganda, é, portanto, ainda mais impressionante. Enquanto a publicidade da al-Qaeda depende de homens barbudos que pregam em árabe durante horas, o Daesh se apoia em filmagens artisticamente cativantes, com várias câmeras, com uma torção ideológica. Além disso, o estilo conciso e cheio de ação, em conjunto com as semelhanças marcantes da produção impecável, parece com o cinema e a televisão norte-americana.

    "Eu gostaria de dividir aqueles vídeos em duas categorias. Por um lado, você tem aqueles vídeos alardes, que mostram como o Daesh venceu todos os seus adversários. Você pode ver os inimigos deles cavando sua própria sepultura e sendo executados. <…> A segunda categoria parece mais com vídeos de viagem, que mostram a sensação magnífica de viver no Estado islâmico", disse Faldbakken, apontando para o "Visite o Daesh" entre eles.

    Além de vídeos, o Daesh usa jogos de computador para apelar ao público mais jovem, afirma o desenvolvedor de jogos norueguês, Jon Cato Lorentzen.  Em particular, jogos de tiro são "aprimorados" de uma forma que lhes permite jogar como um soldado do Daesh.

    "Eles usam jogos, porque é um lugar onde os jovens se encontram. Se você trabalha dentro do marketing e quer atingir um público específico, tente estar onde eles estão. Este é um mantra comum na indústria de publicidade", disse Lorentzen.

    Outra característica do Daesh é que ele tem um grande número de seguidores que cresceram no Ocidente e, portanto, possuem conhecimentos de software, jogos e filmes, o que também é responsável por sua fluência nas redes sociais.

    "Eles têm um número suficiente de pessoas que cresceram com jogos de vídeo, o Twitter, o Facebook e o Youtube, com toda a cultura de internet.  Eles sabem muito bem como reagir e como criar um 'meme'", apontou Faldbakken.

    O Daesh não hesitará em tomar lemas da cultura popular ocidental e as inverter para alcançar um impacto dramatúrgico e ideológico. Um exemplo deste inclui a transformação da sigla do lema YOLO (You Only Live Once – Você vive só uma vez) em YODO (Você só morre uma vez).

    Tags:
    propaganda, cultura, Twitter, Facebook, Al-Qaeda, Daesh, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik