17:01 22 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Vigília na Avenida Paulista, em São Paulo, em homenagem às vítimas do massacre em Orlando
    Elaine Patricia Cruz/Agência Brasil

    Pesquisador: “Tudo indica que ação terrorista nos EUA é de uma só pessoa”

    Mundo
    URL curta
    Massacre em boate nos EUA (25)
    0 02

    As autoridades policiais dos Estados Unidos ratificaram a informação de que a ação terrorista numa boate em Orlando, na madrugada de domingo, foi planejada e organizada por uma única pessoa, o agente de segurança Omar Saddiqui Mateen. Para estas autoridades, não há indícios de vínculo entre Omar e organizações extremistas.

    Naquela noite, Omar, que trabalhava como vigilante e havia comprado uma arma de fogo recentemente, invadiu a boate Pulse, frequentada por homossexuais, e fez vários disparos. No total, 50 pessoas foram mortas: 49 foram assassinadas a tiros por Omar além dele próprio em confronto com a polícia.

    Tão logo foram divulgadas as primeiras notícias sobre a tragédia, o Estado Islâmico reivindicou a autoria dos atentados em comunicado postado na Internet, o que tornou a fazer em várias outras ocasiões no decorrer do domingo. Entretanto, as autoridades norte-americanas – entre as quais o FBI e o próprio Presidente Barack Obama – consideram prematuro antecipar afirmações categóricas sobre esta alegada vinculação.

    A mesma opinião tem o Professor de Relações Internacionais Ricardo Cabral, pesquisador e colaborador da Escola de Guerra Naval além de estudioso sobre questões relacionadas ao terrorismo internacional:

    “A princípio, esta reivindicação de autoria do atentado pelo Estado Islâmico me parece uma questão de oportunismo já que a organização terrorista sugere estar querendo tirar proveito da situação. O que se sabe de concreto até o momento sobre Omar Saddiqui Mateen é o que sua família informou aos policiais: o pai disse que ele era um sujeito homofóbico, que não tolerava homossexuais e que seu ódio por estas pessoas só aumentava quando ele via dois homens se beijando. E a ex-esposa dele contou que ele era um sujeito desequilibrado e que a agredia constantemente. Então, eu não quero afirmar nada categoricamente neste momento mas estou inclinado a acreditar que as ações de Omar Mateen foram as de um “lobo solitário”, o terrorista que planeja e age individualmente embora se sinta ligado à uma organização como, no caso, o Estado Islâmico. À primeira vista, não me parece que esta sua ação tenha sido planejada pela organização terrorista.”

    Na avaliação de Ricardo Cabral, os posicionamentos de Omar Mateen eram meramente individuais:

    “Nós sabemos como a lei islâmica vê a questão da homossexualidade mas não há nada no Corão que permita a interpretação de que os homossexuais devam ser combatidos e eliminados. Este posicionamento abominável era do Omar Mateen e não deve ser visto, em hipótese alguma, como uma determinação religiosa. A visão preconceituosa era do assassino e de vários outros assassinos que pensam como ele pensava. Não se pode generalizar e acusar a religião muçulmana de ser intolerante. A intolerância e o preconceito são de alguns indivíduos.”

    E sobre a motivação dos chamados “lobos solitários” o que diz o Professor Ricardo Cabral?

    “Há vários estudos sobre esta questão. Todos os autores que se dedicam à esta questão convergem para o mesmo aspecto, a questão psicológica destes “lobos solitários.” São, em princípio, homens vulneráveis, facilmente sugestionáveis pela propaganda na Internet e que se deixam empolgar pelo impacto das ações terroristas. São pessoas que se tornam presas de discursos inflamados e extremistas, que acabam dando suas próprias interpretações ao que ouvem e leem, e como resultado, acabam perpetrando atrocidades. Estes são os lobos solitários, homens que agem por si mesmos mas que se consideram enviados por supostos líderes para cometer ações bárbaras e criminosas, de extrema gravidade.”

    Tema:
    Massacre em boate nos EUA (25)

    Mais:

    Irã condena massacre de Orlando
    França declara mobilização total da segurança na Euro 2016 após massacre de Orlando
    Trump polemiza de novo na Internet após tiroteio em boate gay de Orlando
    Tags:
    ataque terrorista, terrorismo islâmico, boate gay, massacre, FBI, Estado Islâmico, Barack Obama, Ricardo Cabral, Orlando, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar