06:03 19 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Tropas americanas pousam de paraquedas no campo militar de Torun, perto da Polônia, em 7 de junho de 2016 durante os exercícios militares da OTAN Anakonda-16.

    'OTAN empurra humanidade para Terceira Guerra Mundial'

    © AFP 2017/ JANEK SKARZYNSKI
    Mundo
    URL curta
    1722558569

    Na segunda-feira (6), a OTAN iniciou seus maiores jogos militares, perto da fronteira russa, como parte do que os analistas chamam de "a provocação do verão", uma proposta para reacender a Guerra Fria destinada a forçar Moscou esgotar sua economia doméstica para acelerar a resposta das forças armadas a uma maior ameaça externa.

    Os jogos militares, intitulados de Anakonda-16, têm lugar na Polônia na véspera da cúpula da OTAN em Varsóvia, onde altos representantes oficiais deverão aprovar a instalação de tropas permanentes no país e na Europa Oriental para combater o que eles apelidam de "uma agressão russa".

    Os exercícios militares, ao longo de dez dias, contam com a participação de 31.000 militares e milhares de veículos no que será o maior movimento de forças estrangeiras dentro da Polônia desde a Segunda Guerra Mundial, provocando memórias dolorosas entre os russos.

    Em junho de 2015, o presidente russo Vladimir Putin tentou desmistificar o tema de discussão sobre a "agressão russa" apontando o absurdo de que a Rússia possa provocar uma guerra contra países-membros da OTAN.

    "Penso que apenas uma pessoa louca e apenas em seus sonhos pode imaginar que a Rússia ataque de repente a OTAN", disse Putin, acrescentando que "na minha opinião, alguns países simplesmente estão tirando proveito do medo que as pessoas têm da Rússia".

    Independentemente dos motivos, a escalada da presença militar da OTAN perto das fronteiras russas atingiu o abismo, com os EUA instalando um sistema antimísseis na Romênia e desenvolvendo um escudo independente antimísseis na vizinha Polônia.

    A administração de Obama não está sozinha em seus esforços para aumentar a retórica da ameaça. Nos últimos tempos, a Polônia pediu o aumento das tropas americanas e da ajuda militar, referindo preocupações de uma possível invasão por parte da Rússia. A Alemanha concordou em enviar tropas para os jogos de guerra, sendo a primeira vez desde que soldados alemães entraram em território polonês e desde este ter sido usado pelos nazistas como uma rota para invadir a União Soviética.

    Na segunda-feira (6), os analistas de segurança Daniel McAdams e John Wight falaram à emissora Sputnik sobre a última ronda de provocações na fronteira russa e sobre se os falcões da OTAN procuram mais violência.

    Qual é o objetivo dos jogos de guerra Anakonda-16?

    "É uma série de muitos exercícios da OTAN na fronteira russa neste verão, podemos chamar a isso a provocação do verão", disse McAdams. "São os maiores exercícios militares e o maior movimento de forças estrangeiras na Polônia desde a Segunda Guerra Mundial. Assim, isto é muito significativo e tudo isso foi vendido em nome da proteção contra a agressão russa".

    "Na verdade, são as tropas da OTAN que estão do lado de fora da fronteira russa e isso é uma provocação absoluta, é outro passo para dar um tapa na cara russa", explicou o analista de segurança.

    A Polônia é estrategicamente importante para os EUA?

    “A Polônia é imensamente importante por causa da inimizade histórica entre os poloneses e os russos por causa de território”, disse John Wight. “O Daniel está absolutamente certo quando chama isto como a provocação do verão, pois o que testemunhamos é o recrudescimento da política de contenção elaborada depois da Segunda Guerra Mundial”.

    "A contenção, entretanto, é um termo errôneo porque isto não é uma política de contenção, mas sim uma política de agressão destinada a cercar a Rússia politicamente, economicamente e militarmente para pôr o governo russo paranóico e usar a pressão contra a Rússia para fazê-la implodir".

    A Rússia é uma força contra a hegemonia dos EUA?

    "Não diria que a Rússia é uma força contra a hegemonia, mas tiveram lugar certos eventos", disse McAdams. "…Penso que a Rússia tenha sido empurrada para essa posição. Mas, falando dos anos iniciais da administração de Obama, ainda existia uma ideia de melhorar as relações. Em vez disso, o que aconteceu com a administração de Obama é o que acontece com cada administração quando os neoconservadores irrompem e assumem a política externa".

    "Há pessoas como Victoria Nuland, que serviu Dick Cheney antes de Barack Obama. O que eles pensavam permitindo que uma pessoa como aquela tomasse o controle, uma pessoa que é membro da família criminosa de neoconservadores Kagan, a mulher de Robert Kagan. É a maneira de que os neoconservadores fazerem isso e eles engoliram a administração de Obama como um câncer que se está espalhando", afirmou o analista de segurança.

    "Os neoconservadores têm o controle sob a política de Obama nas relações com a Rússia e eu penso que eles estejam empurrando-nos para a Terceira Guerra Mundial", afirmou McAdams.

    Mais:

    OTAN mostra músculos: alvo principal de Anakonda é Oriente Médio, não a Rússia
    Programas militares entre países da OTAN e Ucrânia preocupam Rússia
    Aproximação da Geórgia à OTAN pode provocar maior instabilidade
    Chancelaria russa revela 'verdadeiros planos da OTAN'
    OTAN defende Estados Bálticos de 'inimigo imaginário' em exercícios na Estônia
    Tags:
    provocação, hegemonia, neoconservadores, ameaça russa, agressão, guerra, exercícios militares, OTAN, Victoria Nuland, Barack Obama, Vladimir Putin, Alemanha, Rússia, Europa Oriental, EUA, Polônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik