21:34 19 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    A reunião dos líderes do G7 no Parque Nacional Japonês, Ise-Shima, 26 de maio de 2016

    Relações com Rússia podem provocar discórdia no G7

    © AFP 2017/ JIM WATSON / AFP POOL
    Mundo
    URL curta
    52162143

    A recente cúpula do G7 mostrou as diferenças visíveis que existem entre os seus participantes no que se refere à Rússia, escreve o jornal japonês Mainichi Shimbun.

    Imagens estilizadas dos líderes do G7 em fatos de super-heróis de uma ONG durante a cúpula do G7 na cidade de Ise, Japão, 26 de maio de 2016
    © AFP 2017/ TOSHIFUMI KITAMURA
    Enquanto o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e o líder francês, François Hollande apelaram para a reaproximação com a Rússia, Washington não mudou a sua postura firme em relação a Moscou.

    Segundo a edição japonesa, as relações com a Rússia poderão "provocar a discórdia" entre os países que integram o G7. As divergências surgiram devido à falta de progressos na aplicação dos acordos de paz de Minsk sobre a crise ucraniana.

    Os líderes do grupo dos países mais industrializados — Grã-Bretanha, Itália, Alemanha, França, Canadá, Japão e Estados Unidos — reuniram-se na quinta-feira (26) para uma cúpula de dois dias em Ise Shima, Japão. Na reunião são tradicionalmente discutidas as questões econômicas globais.

    O governo japonês diz que o "fator mais importante é a posição construtiva da Rússia sobre a questão". Tóquio também ressalta que a cooperação com Moscou é possível, especialmente na Síria.

    Kremlin
    © Sputnik/ Vladimir Sergeev
    O jornal chamou o primeiro-ministro Abe "próximo" do presidente Putin.

    No início de maio, Abe visitou o balneário russo de Sochi, manteve conversações com Putin e apresentou o plano econômico de cooperação de oito pontos entre os dois países, que abrange áreas como a exploração de petróleo e gás e a modernização de portos e aeroportos no Extremo Oriente russo. Após a visita, Abe disse que ele "sentia um grande avanço" nas relações do Japão com Moscou.

    Pelo contrário, o primeiro-ministro britânico David Cameron destacou durante uma conferência de imprensa que o Ocidente não se devia esquecer que "a Rússia invadiu a Ucrânia", segundo o jornal.

    Os líderes do G7 salientaram que as sanções contra a Rússia continuariam a existir até à plena implementação do acordo de paz de Minsk, adicionando, no entanto, que a manutenção de um diálogo constante com a Rússia é crucial para a resolução pacífica da crise.

    Uma estância popular de Maldivas tem umas de mais belas piscinas de borda infinita do mundo.
    © flickr.com/ Sarah Ackerman
    "Nós reconhecemos a importância de manter um diálogo com a Rússia a fim de garantir que ela cumpre os compromissos assumidos e observa o direito internacional, a fim de se chegar a uma solução abrangente, sustentável e pacífica para a crise", concluíram.

    Em 2014, a participação da Rússia no Grupo dos Oito foi suspensa após a reunificação da Crimeia e o conflito militar na Ucrânia. Nesse ano, os membros do G7 disseram que não se deslocariam à cidade russa de Sochi para uma cúpula do grupo, que estava marcada para 4-5 de junho de 2014. Em vez disso, eles se encontraram em Bruxelas sem o presidente Putin.

    Mais:

    Deputado russo desvaloriza cúpula do G7 no Japão
    G7 apoia envolvimento da Rússia na resolução de problemas globais
    G7 está em desacordo sobre a China
    Tags:
    G7, Rússia, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik