18:53 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Lutadores do Partido Democrático da Síria

    Cidade subterrânea revela segredos do Daesh

    © AFP 2019 / DELIL SOULEIMAN
    Mundo
    URL curta
    1171

    Um grupo de jornalistas russos descobriu uma cidade subterrânea cheia de trincheiras e túneis, usados para esconder armas e pessoas.

    Jornalistas russos do canal televisivo RT descobriram a rede de túneis, trincheiras e abrigos subterrâneos usados pelo Daesh (organização terrorista proibida na Rússia) a guardar armas, se esconder de ataques aéreos e transportar petróleo da cidade síria de al-Shaddali que foi capturada mais de dois anos atrás e liberada em fevereiro.

    Os jornalistas encontraram as estruturas fortificadas subterrâneas em cada casa visitada. Conforme a sua posição na hierarquia do grupo extremista, militantes tinham acesso a diferentes fortificações. Então, os lutadores experientes se escondiam em abrigos bem protegidos, enquanto os mais novos permaneciam em lugares menos seguros.

    A mesma tática foi usada pelo Daesh em outras cidades que foram capturadas. Em dezembro, os curdos peshmerga descobriram mais de 70 túneis na cidade de Sinjar no norte do Iraque.

    A cidade de al-Shaddali é muito importante estrategicamente, pois é localizada em uma  área rica em óleo e gás. Mais de 40% das receitas do grupo foram ganhas com vendas ilegais de petróleo. Além disso, a cidade ligou os terroristas com Raqqa, de fato capital do Daesh, e com Mossul, segunda cidade maior no Iraque que foi sob o controlo dos militantes desde junho de 2014.

    Em fevereiro, o Daesh abandonou al-Shaddali, deixando o tesouro de uma coletânea de documentos, que incluem faturas detalhadas que podem esclarecer os negócios e a vida quotidiana dos terroristas.

    Então, os arquivos confirmaram que a Turquia tinha comprando o petróleo do Daesh e que os militantes entraram na Síria do território da Turquia.

    Tags:
    abrigos, túneis, Daesh, Iraque, Mosul, Turquia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar