08:21 20 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    7380
    Nos siga no

    A decisão da China de não autorizar o porta-aviões USS John C. Stennis a fazer escala em Hong Kong “foi tomada para punir os EUA" pelas suas “ações provocativas” na região, de acordo com o site americano The Epoch Times, especializado em notícias e análises da mídia chinesa.

    As autoridades chinesas não deram qualquer explicação para não autorizarem a paragem do USS John C. Stennis em Hong Kong no dia 28 de abril.

    No entanto, The Epoch Times revisou a mídia chinesa e disse que tal foi uma "punição" dos EUA por estes levarem a cabo provocações na região.

    USS John C. Stennis (CVN-74), um super-porta-aviões de propulsão nuclear norte-americano da classe Nimitz
    © flickr.com / U.S. Pacific Command
    USS John C. Stennis (CVN-74), um super-porta-aviões de propulsão nuclear norte-americano da classe Nimitz

    O site cita um artigo da agência oficial chinesa de notícias Xinhua com a manchete "Os militares dos EUA não devem ficar surpreendidos por a visita do Stennis a Hong Kong ter sido recusada."

    A agência apela aos Estados Unidos para "pensarem sobre o que fizeram erradamente e que levou à recusa de receber o convidado com cortesia."

    "Por que não olharmos primeiro para as ações do Stennis?”, sugere o Xinhua, enumerando uma série de exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul e Filipinas.

    "Isto foi uma pequena punição por os militares dos EUA serem uns provocadores", lê-se no artigo, que cita fontes militares não especificadas.

    Outra fonte da mídia chinesa, o Global Times, um jornal de língua Inglês, também reconheceu que durante os últimos anos, o Pentágono "aplicou uma série de ardis contra a China, criando uma atmosfera muito desagradável entre os dois lados".

    O site destacou que a Frota do Pacífico dos Estados Unidos tornou-se a maior "fonte da mentalidade pessimista para ambos os países".

    "Apesar de eles se acostumarem a ignorar os direitos humanos, tal como as divergências comerciais e diplomáticas nas zonas estrategicamente importantes do mundo, os EUA começaram a reforçar a sua presença militar ameaçadora contra os interesses marítimos da China, mostrando a sua força militar, enviando navios e aviões de guerra para a China", diz ele.

    “Isso pode mudar as relações sino-americanas, devido às divergências estratégicas graves e aos problemas militares sem precedentes entre os dois países”, escreve o site.

    USS John C. Stennis (CVN-74), um super-porta-aviões de propulsão nuclear norte-americano da classe Nimitz
    © flickr.com / U.S. Pacific Fleet
    USS John C. Stennis (CVN-74), um super-porta-aviões de propulsão nuclear norte-americano da classe Nimitz

    "Os militares dos EUA devem manter a distância na área dos interesses centrais de Pequim", prossegue o autor do artigo.

    Outro site de notícias com sede nos EUA, o The Navy Times também comentou esta recusa.

    "O pedido de porta-aviões o USS John C. Stennis de parar em Hong Kong foi negado exatamente por causa das patrulhas frequentes e atividade da Marinha dos Estados Unidos na região, que estão desafiando as interesses de Pequim", ele citou Zhiqun Zhu, um cientista político que dirige o Instituto Chinês na Universidade Bucknell na Pensilvânia.

    "Isto é uma declaração política. Eu acho que Pequim quer ver uma diminuição das atividades militares dos EUA na região", acrescentou.

    O analista político também reconheceu que o envolvimento militar dos EUA no Mar do Sul da China, especialmente a possibilidade da Marinha os EUA operar livremente, complicou as condições e empurra outros participantes do conflito, especialmente as Filipinas, a se colocarem contra a China.

    Depois de Hong Kong ter sido entregue à China em 1997, os navios da Marinha dos EUA continuaram suas frequentes visitas à esta região administrativa especial, mas cada visita deve ser aprovada por Pequim.

    A maioria tem recebido autorização durante, houve apenas algumas recusas, o que aconteceu quando houve um congelamento nas relações sino-americanas.

    The Global Times diz que a China não indica suas razões e que isso foi considerado como um gesto diplomático para expressar a sua insatisfação, bem como assumir o controle das divergências bilaterais.

    O site, entretanto, tem apelado mais uma vez aos EUA a "pensar sobre a sua atividade militar no Mar do Sul da China".

    Mais:

    China pretende se tornar ‘superpotência virtual’
    Ação 'Regimento Imortal' se realiza pela primeira vez na China
    China cooperará com Rússia independentemente da situação no mundo
    Tags:
    porta-aviões, John C. Stennis, Marinha dos EUA, Marinha chinesa, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar