20:48 23 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Gazprom e Lukoil

    Mercado petrolífero pode substituir dólar por outra moeda

    © Sputnik / Maksim Blinov
    Mundo
    URL curta
    26250

    A China e a OPEP serão solidárias com a Rússia se esta decidir vender os seus hidrocarbonetos em rublos em vez de dólares, escreve o analista Michael Pento.

    Numa entrevista à agência Sputnik, o presidente da agência de consultoria Pento Portfolio Strategies, autor do livro “Próximo Colapso do Mercado de Obrigações”, disse que Pequim e a OPEP estão receptivos à ideia de vender petróleo em rublos em vez de dólares. 

    A entrevista surgiu após a informação da Bloomberg de que a Rússia pode criar o seu próprio mecanismo de preços com base no petróleo e gás dos Urais em vez do petróleo do tipo Brent. 

    O objetivo de utilização da moeda russa consiste no aumento das receitas e na diminuição da dependência da moeda norte-americana. 

    "A verdade é que a China, a OPEP e a Rússia prefeririam ver o petróleo transacionado em outra moeda em vez do dólar. Pode ser a moeda da Rússia, da Venezuela, do Irã ou qualquer outro país. Eles querem ter a possibilidade de vender o petróleo usando as moedas nacionais", escreve Michael Pento.

    Entretanto, o presidente da Bolsa Internacional de São Petersburgo, Aleksei Rybnikov, disse que ter o seu próprio mercado de futuros iria ajudar a ajustar o preço do petróleo russo, permitindo ainda às empresas nacionais do setor obter receitas adicionais

    Ele disse que as maiores empresas petrolíferas russas, incluindo a Rosneft, Lukoil e Gazprom Neft, saúdam o plano e podem se tornar os criadores deste mercado. O Banco da Rússia também está pronto para participar do projeto.

    Mais:

    EUA se recusam a aderir à proposta da OPEP de limitar a produção de petróleo
    Estados membros da OPEP e Rússia se reunirão no Qatar para discutir a produção de petróleo
    Tags:
    substituição, moeda, rublo, dolar, petróleo, Bloomberg, OPEP, Michael Pento, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik