20:23 01 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    7102
    Nos siga no

    Presidente turco se comporta como covarde lançando seguidos ataques contra liberdade de imprensa, afirma imprensa alemã.

    O atual julgamento de cinco acadêmicos turcos, cuja única transgressão foi assinar uma petição denunciando operações militares realizadas por Ancara no sudeste do país, é uma triste prova das tentativas desesperadas de Erdogan para abolir a liberdade de imprensa, relata a revista alemã Stern.

    “Recep Tayyip Erdogan tem medo: medo de críticas, de perder o poder, da verdade. Portanto, o presidente turco persegue incansavelmente quem quer que ouse a questionar suas políticas ou até mesmo suas qualidades pessoais”, diz a revista.

    Segundo a Stern, Erdogan tratou a petição dos acadêmicos como um insulto pessoal e decidiu levá-los a julgamento para mostrar “quem manda”. O presidente turco os acusou de traição e de ajudar terroristas, embora seus motivos reais — o medo de que a petição possa incentivar outros descontentes a se levantarem contra suas políticas — sejam bastante transparentes, argumenta o autor do artigo.

    No dia 1º de janeiro, 128 cientistas turcos e internacionais assinaram a petição Acadêmicos Pela Paz, pedindo o fim da operação militar no sudeste da Turquia. As autoridades turcas responderam rapidamente, abrindo processos contra 507 dos signatários e levando os mais conhecidos a julgamento.

    Mais:

    Comitê contra tortura da ONU investiga violação dos direitos humanos na Turquia
    Jornalistas brasileiros repudiam censura e expulsão de diretor da Sputnik na Turquia
    ‘Pressionar jornalistas já é uma tendência na Turquia’, diz sindicato francês
    Departamento de Estado recusa comentar a situação da Sputnik na Turquia
    Turquia considera chefe da redação turca da Sputnik ameaça à segurança nacional
    Tags:
    julgamento, petição, operação militar, liberdade de imprensa, Recep Tayyip Erdogan, Alemanha, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar