17:08 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro da Líbia Fayez al-Sarraj na conferência de imprensa em Tripoli, Líbia, 30 de março de 2016

    Europa exige governo unido na Líbia

    © REUTERS / Ismail Zitouny
    Mundo
    URL curta
    311

    A formação de um governo de unidade nacional na Líbia irá ter um efeito positivo na crise migratória na Europa, disse aos jornalistas o ministro das Relações Exteriores de Luxemburgo, Jean Asselborn, nesta segunda-feira (18).

    A reunião dos chanceleres dos países membros da UE foi transmitida ao vivo no site da Comissão Europeia.

    "Hoje é um dia importante para a Líbia e para União Europeia, espero que o Parlamento aprove a criação do governo unido em Trípoli. Nós não devemos considerar o tema da migração como principal, mas a criação do novo governo nos permitirá ajudar os refugiados que fogem da Líbia" — disse Asselborn.

    Na noite desta segunda-feira os chanceleres e os ministros da Defesa da UE vão realizar uma videoconferência com o chefe do Governo de Unidade Nacional da Líbia, Fayez al-Sarraj. O primeiro-ministro da Líbia, que se reuniu no sábado (16) em Trípoli com os ministros das Relações Exteriores da França e da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier e Jean-Marc Ayrault, vai anunciar aos chanceleres e aos ministros da defesa da UE as necessidades do seu governo.

    Depois das negociações em Trípoli, num comunicado conjunto, os chanceleres da França e Alemanha expressaram a prontidão de ajudar ao Governo de Unidade Nacional no restabelecimento da segurança e serviços públicos no país, resistência ao terrorismo. Ayrault também disse que o governo da Líbia pediu a ajuda na organização de formação de policiais e militares, enquanto Steinmeier assinalou que o treinamento das forças da segurança da Líbia pode começar ainda fora do país.

    A ajuda à Líbia é essencial para União Europeia por causa de aumento de número dos imigrantes ilegais que fogem da Líbia para Itália. Roma chama regularmente o governo da UE a elaborar uma estratégia para restringir o fluxo de migrantes oriundos do país árabe, como foi feito com os fluxos migratórios nos Bálcãs e no Mar Egeu.

    Mais:

    Obama alerta para crescente fluxo de terroristas do Daesh para Líbia
    Daesh realiza novo ataque a posto de controle militar na Líbia
    Obama admite seu erro em intervenção na Líbia
    Tags:
    fluxo de refugiados, chanceler, governo, Comissão Europeia, Jean-Marc Ayrault, Frank-Walter Steinmeier, Balcãs, Mar Egeu, Roma, Trípoli, Líbia, UE, Itália, Alemanha, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik