00:40 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Militantes do Estado Islâmico no Iraque

    Daesh destrói grande monumento histórico de 2 mil anos no Iraque

    © AP Photo / Militant website via AP
    Mundo
    URL curta
    Crueldades do Daesh (33)
    327

    O grupo terrorista Daesh (Estado Islâmico) destruiu no início desta semana um importante monumento histórico construído há cerca de 2 mil anos próximo à cidade de Mosul, no Iraque, e conhecido como Portão de Deus.

    Segundo informou o jornal Independent, citando por fonte o Instituto Britânico para o Estudo do Iraque, o portão foi erguido na estrada que levava para a antiga cidade assíria de Nínive.

    A fonte da publicação confirmou a informação de que o monumento arquitetônico foi atacado pelos combatentes do Daesh. O centro de arqueologia do Iraque, no entanto, ainda não pôde confirmar se o artefato foi realmente completamente destruído.

    Os terroristas islâmicos vêm realizando uma série de ataques contra templos religiosos de outras culturas e executando minorias étnicas no Iraque e na Síria.

    O grupo sunita também tomou o controle sobre diversas cidades históricas, entre elas Palmira, incluída na lista de patrimônios culturais da humanidade da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

    Durante o período em que o Daesh ocupou esta cidade, foi destruído um templo do século 18 e o arco do triunfo da era romana. O anfiteatro da mesma época foi usado pelos militantes para execuções públicas. Agora, a maior parte da cidade está em ruínas.

    Além de promover a destruição de muitos dos monumentos dessas cidades, Daesh também tem usado os artefatos históricos para ganhar dinheiro. Dados recentes mostraram que no ano passado o grupo recebeu cerca de $200 milhões com a venda desses valiosos itens no mercado negro.

    Tema:
    Crueldades do Daesh (33)
    Tags:
    artefato, histórico, monumento, monumentos históricos, destruição, Daesh, Mosul, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik