03:10 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Um avião das forças governamentais (do governo reconhecido pela comunidade internacional) na base aérea de Benina em dezembro de 2015

    Satélite prova presença de forças especiais na Líbia

    © AFP 2019 / ABDULLAH DOMA
    Mundo
    URL curta
    11227
    Nos siga no

    Umas imagens de satélite divulgadas na noite passada provam uma atividade militar crescente perto da segunda maior cidade da Líbia, Benghazi.

    As fotos mostram forças especiais ocidentais na base aérea de Benina, situada nos arredores de Benghazi. E a empresa de inteligência norte-americana Stratfor insiste que o "país do Ocidente" neste caso é a França.

    ​As imagens foram tomadas em 1 de março e divulgadas por AllSoirce e pela Airbus.

    De acordo com a Sratfor, "a ausência de qualquer equipamento aéreo ou veículo militar visível indica que esta é uma presença limitada, cuja intenção não é a de participar de operações de combate significantes, senão assistir a operações de treinamento, discussão ou inteligência".

    E contudo, "este fundamento preliminar poderia facilitar a construção rápida de uma base no futuro", frisa o relatório da Stratfor.

    A Stratfor sugere que os franceses podem apoiar o general Khalifa Haftar, partidário das autoridades internacionalmente reconhecidas, em Tobruk. A outra facção que aspira a governar no país reside na capital, Tripoli, e é representada por milícias islamistas.

    Enquete

    É possível vencer o terrorismo com ações militares clandestinas?
    • Sim
      28.6% (59)
    • Não
      71.4% (147)
    A hipótese sobre a atuação francesa se vê reforçada por uma reportagem publicada em 24 de fevereiro pelo jornal francês Le Monde, onde dizia-se que a França fazia "ações militares clandestinas" contra o Estado Islâmico (Daesh).

    Naquela altura, a assessoria do ministro da Defesa da França, Jean-Yves le Drian, afirmou que "quando umas operações secretas têm lugar, o objetivo é não serem reveladas para a segurança das pessoas e das operações".

    As autoridades francesas lançaram uma ação judicial contra o Le Monde por vazamento de informações secretas.

    O Daesh, cuja principal zona de atividade são a Síria e o Iraqie, está presente na Líbia também, se aproveitando da situação instável nesse país, situado no Norte da África, depois da morte de Muammar Kadhafi. A mesma foi o resultado de uma intervenção militar, com considerável participação francesa.

    Mais cedo neste mês, houve relatos sobre o envio de forças italianas para a Líbia.

    Mais:

    Berlusconi ataca envolvimento militar da Itália na Líbia
    Senadores dos EUA querem levar militantes do Daesh para Guantánamo
    Ex-membro do Daesh revela 22 mil nomes dos terroristas
    Milícia iraquiana revela tecnologia do Daesh para produzir armas químicas (VÍDEO)
    Forças sírias eliminam túnel secreto do Daesh em Aleppo
    Velhos maus hábitos: Itália se prepara para invasão na Líbia
    Operação da Tunísia na fronteira com a Líbia mata 21 militantes
    Intervenção na Líbia só é possível após aprovação do Parlamento
    Tags:
    Stratfor, Ministério da Defesa (França), Daesh, Jean-Yves Le Drian, Benghazi, França, Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar